Tempo
|
A+ / A-

Cabify junta-se à Uber em Portugal. Taxistas prometem manter a luta

11 mai, 2016 - 09:02

Plataforma espanhola de transporte de pessoas existe em vários países da América Latina. Antral reafirma a sua ilegalidade e diz que é mais um caso para os tribunais.

A+ / A-

A plataforma espanhola de transporte privado Cabify apresenta-se, esta quarta-feira, em Lisboa, onde passará a operar.

A Cabify está presente em cidades de Espanha, México, Colômbia, Chile e Peru e chega a Portugal quase duas semanas depois de uma manifestação de taxistas contra outro serviço concorrente, a plataforma Uber.

O presidente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), uma das associações que representa os taxistas, afirma que é mais uma empresa ilegal e mais um caso para levar aos tribunais.

“Com a Cabify, vamos fazer tal e qual o que fazemos com a Uber”, garante Florêncio Almeida, em declarações à Renascença.

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), Carlos Ramos, diz, por seu lado, que apenas aceitará a espanhola Cabify em Portugal se se limitar a distribuir serviços a taxistas e a funcionar com viaturas descaracterizadas autorizadas.

Se a Cabify entrar no mercado português para trabalhar com táxis e com viaturas descaracterizadas autorizadas – assinaladas como de Turismo (com a inscrição T) e de aluguer sem distintivo (A) – Carlos Ramos não vê "grandes problemas para o sector". Subsistem, contudo, dúvidas: "Creio que não será bem assim.”

O secretário de Estado do Ambiente, José Mendes, já fez saber que a operadora espanhola não tem cobertura legal para abrir actividade em Portugal.

Tal como a Uber, a Cabify é uma plataforma de transporte de passageiros acessível a partir de uma aplicação informática. À Renascença, a Uber considera que “a existência de concorrência e de alternativas” é um factor "muito positivo para os consumidores e para as cidades portuguesas”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    28 jul, 2016 Lisboa 19:40
    Engraçado ler a declaração deste senhor que a Uber é ilegal! Logo dele que tem pelo menos uma dúzia de carros Uber a rodar na cidade de Lisboa. Hipocrisia é coisa pouca para este senhor!
  • anonimous
    11 mai, 2016 paris 17:50
    pois...a Cabify só deve funcionar em Portugal se distribuir trabalhinho para os fogareiros mal educados. acho muito bem. ponham alguém a trabalhar para os taxistas para estes terem mais tempo livre para ouvir futebol e cuspir pela janela ...
  • João Lopes
    11 mai, 2016 Viseu 11:52
    Os taxistas querem manter o monopólio. Ainda não perceberam que os tempos são outros, que devem modernizar-se, que vivemos cada vez mais em sociedades abertas e que não se consegue fechar a porta ao vento... Daqui a uns dias os comunistas do PCP e do Bloco vão obrigar a que os táxis sejam nacionalizados e o contribuinte paga…
  • Rodrigo
    11 mai, 2016 Lisboa 10:30
    Os táxis também não queriam o Metro no aeroporto...era concorrência desleal... Pois...Vamos proibir os emails porque fazem concorrência desleal aos CTT... Se já têm agora também aplicações móveis, afinal o que é que eles querem.?...Modernizem-se e trabalhem.
  • jose
    11 mai, 2016 lisboa 10:27
    Acabou o monopólio da Antral , que venham mais concorrentes para um melhor serviço de táxis. O que sera agora para impedir as novas tecnologias deste seculo, mais modernização, melhor serviço e mais barato, assim se termina com os xulos e oportunistas que passam junto ao aeroporto. É uma vergonha.
  • luis
    11 mai, 2016 Lisboa 10:15
    Quero viver num país onde haja respeito pela lei. Não um onde qualquer bicho careta venha e faça o que lhe apetece.
  • isidro
    11 mai, 2016 Lisboa 10:12
    Os taxistas têm razão em lutar pelos seus direitos, é um facto, mas os tempos mudam, os empregos/trabalhos também. Posto isto, deixo aqui uma sugestão baseada no "se não os podes vencer, junta-te a eles". Explicando melhor: porque é que os taxistas portugueses não criam também uma empresa do mesmo género? A própria Antral poderia ser a base de partida. Haveria concorrência, mas uma concorrência leal. Pensem nisso.
  • Eu
    11 mai, 2016 Lisboa 10:05
    Uma grande parte dos taxistas não interessam a ninguém, são mal educados e provocadores. Não respeitam regras de trânsito e ainda insultam os outros. Viva a UBER!!!!
  • Rei Juliano
    11 mai, 2016 Lisboa 09:57
    Venha mais uma, nada como acabar com este ordinários dos taxistas chulos e corruptos, bandidos de me&%$%#, cada vez que entro num táxi cuspo sempre no chão só não cago e mijo, filhos de p&%#" que a mãe não tem culpa.....
  • luis Cunha
    11 mai, 2016 Loulé 09:57
    A luta dos TAXISTAS deveria ser, tentar igualar preços, qualidade e profissionalismo desses novos concorrentes, isso sim ! A maioria dos TAXISTAS, não são as pessoas indicadas para contactar com o publico em geral, são uma cambada de antipáticos, arrogantes e muitas vezes...malcriados ! Haja alternativas a estes senhores para que possamos ter outras opções ! A concorrência é saudável e só trás benefícios para o consumidor ...venham eles, já deveriam cá estar...ontem já era tarde !

Destaques V+