Tempo
|
A+ / A-

​Portugueses criam "nanoarma" para tratar cancro da mama sem cura

15 dez, 2015 - 15:49 • Cristina Nascimento

Universidade de Coimbra inventa "uma espécie de cápsula” onde foi incluído “um cocktail de fármacos” que consegue debelar o cancro da mama triplo negativo.

A+ / A-

Um grupo de investigadores da Universidade de Coimbra (UC) criou uma nanopartícula que consegue combater células tumorais no cancro da mama triplo negativo. O anúncio foi feito esta terça-feira pela UC.

Em declarações à Renascença, o líder do estudo, já publicado na revista científica Biomaterials, João Nuno Moreira explica que essa nanopartícula “é uma espécie de cápsula” onde foi incluído “um cocktail de fármacos” que consegue debelar a doença.

O cancro da mama triplo negativo, que tem uma incidência entre os 15 e os 20%, é um subtipo de cancro muito agressivo e para o qual ainda não existe terapêutica disponível. “A terapia de referência para este tipo de cancro é muito limitada porque se cinge apenas à quimioterapia convencional contra a qual os tumores e as células rapidamente desenvolvem resistência, o que limita a esperança de vida deste tipo de doentes”, explica.

Recorrendo a uma linguagem bélica, o cientista refere que os “tumores sólidos são compostos por diferentes exércitos, cada um com capacidades e armas diferentes para lutar contra os tratamentos que existem”.

“Uma das componentes do nosso trabalho foi identificar uma debilidade, uma fragilidade, que é comum a dois exércitos diferentes”, acrescenta.

João Nuno Moreira refere ainda outra novidade agora alcançada: “Há muitos trabalhos até à data que usam este tipo de estratégia, de base nanotecnológica, mas para veicular apenas um fármaco. O que nós fizemos foi colocar uma combinação de fármacos que tem esta capacidade de atacar dois alvos celulares diferentes em tumores de mama.”

O trabalho desta equipa de investigadores da UC, através do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) das faculdades de Farmácia e de Medicina e da empresa biotecnológica Treat U, já chamou a atenção de uma empresa do sector, mas para já ainda não há quaisquer perspectivas sobre quando é que esta terapêutica poderá estar disponível.

João Nuno Moreira diz ainda que estão a trabalhar para conseguirem aplicar a mesma técnica a outros tipos de cancro que não o da mama.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António José Lima
    07 nov, 2016 Trofa 18:52
    Grandes Homens,bem hajam.So espero que a produção do fármaco seja o mais rápido possível.
  • Piedade Forte
    06 nov, 2016 Coimbra 09:54
    A todos felicito, esperando que a cura para estes cancros tão graves se torne Realidade! ❤
  • Paula Cabral
    07 ago, 2016 Coimbra 11:47
    PARABÉNS. Obrigada.
  • João Rego
    02 ago, 2016 VRSAntónio 15:49
    Grande Goooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooolo! É Gooooooooooooooooooooolo de portugueses.
  • Manuela Costa
    02 fev, 2016 Valpaços 23:53
    Como sorteada com essa doença, agradeço o vosso estudo e dedicação em prol da humanidade, Deus vos abençoe e vos dê muita saúde.
  • Matilde
    02 fev, 2016 Baden CH 13:45
    Parabéns , brilhantes proficionais e a seguir na arma para combater esa doença feroz ❤️💋
  • MANUEL DA COSTA
    06 jan, 2016 SYDNEY - AUSTRÁLIA 09:02
    Parabéns e um Bem-haja a todos aqueles que trabalham com dedicação e eficiência para o bem da humanidade. São estes tipos de "armas" que o mundo deve apreciar. Que essas "armas" estejam ao dispor da medicina, o mais breve possível.
  • Maria afonso
    18 dez, 2015 Braga 21:54
    Boa noite gostava de saber onde posso fazer
  • Fátima Brito
    18 dez, 2015 LOURES 18:59
    Parabéns, como doente fico muito feliz.
  • 18 dez, 2015 16:51
    Parabéns pelo excelente trabalho continuem com essas maravilhosas investigações.So assim poderemos ter esperanças que muito em breve possa haver uma cura para essa maldita doença que afecta milhares de pessoas Por todo o lindo.

Destaques V+