Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Israel. Ativistas e familiares de reféns invadem parlamento

03 abr, 2024 - 15:42 • Lusa

Não é a primeira vez que os familiares dos reféns se deslocam ao parlamento, mas a situação é agora particularmente tensa.

A+ / A-

Ativistas e familiares de reféns detidos pelo Hamas em Gaza invadiram esta quarta-feira a galeria de convidados do parlamento israelita (Knesset) como forma de protesto e lançaram tinta amarela, cor usada para recordar os cativos, contra as janelas.

Os membros da segurança do parlamento reagiram rapidamente para impedir que os familiares e outros participantes continuassem o seu protesto, o que provocou algum caos e pequenas brigas.

As imagens, publicadas pelo Knesset na rede social X, mostram também alguns membros da oposição política a levantarem-se durante o protesto dos familiares e a erguerem os braços em apoio.

Não é a primeira vez que os familiares dos reféns se deslocam ao parlamento, mas a situação é agora particularmente tensa, uma vez que o Governo israelita ainda não chegou a acordo com o movimento islamita palestiniano Hamas para libertar os cerca de 130 reféns que ainda permanecem em cativeiro, após 180 dias de guerra.

A indignação e o mal-estar também foram transferidos para as ruas, com manifestações em massa tanto em Telavive como em Jerusalém, onde no domingo, primeiro dia de protestos, cerca de cem mil pessoas inundaram as ruas e montaram um acampamento em frente ao parlamento para exigir a demissão do Governo liderado por Benjamin Netanyahu e eleições antecipadas.

Foi o protesto anti-governamental mais maciço desde 7 de outubro de 2023, quando o Hamas fez um ataque sem precedentes em território israelita, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo perto de 250 reféns.

Na terça-feira à noite, no terceiro dia consecutivo de contestação anti-governamental, israelitas tentaram romper as barricadas da polícia para chegar à residência privada do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

A polícia israelita classificou a tentativa destes manifestantes como um "motim" e vários dos que conseguiram sentar-se num parque infantil em frente à casa de Netanyahu foram retirados. No total, cinco pessoas foram detidas, tendo sido entretanto libertadas.

Um polícia foi hospitalizado devido a um ferimento sofrido quando um manifestante lhe atirou uma vedação anti-motim, noticiou o diário israelita Times of Israel.

Uma parte da sociedade israelita considera que Netanyahu está a colocar a sua sobrevivência política à frente do regresso dos prisioneiros, prolongando a ofensiva na Faixa de Gaza para não ter de enfrentar processos de corrupção pendentes ou novas eleições.

[Notícia atualizada às 15h58 de 3 de abril de 2024]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+