A+ / A-

China apoia "reconhecimento total" da Palestina e insiste na solução de dois Estados

07 mar, 2024 - 15:20 • Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês garantiu que a China vai continuar a "apoiar firmemente" a "causa justa do povo palestiniano".

A+ / A-

A China apoia o "reconhecimento pleno" da Palestina como Estado na ONU, afirmou esta quinta-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, em conferência de imprensa.

Wang Yi acrescentou que a China "vai insistir" na solução de dois Estados para garantir a "coexistência pacífica" entre israelitas e palestinianos.

"O atual conflito israelo-palestiniano já causou mais de 100 mil vítimas civis. Esta catástrofe humanitária é uma tragédia para a humanidade e uma vergonha para a civilização. Nada justifica a morte de civis e a comunidade internacional deve atuar para promover um cessar-fogo imediato", afirmou o responsável, à margem da Assembleia Popular Nacional (APN), a decorrer esta semana em Pequim.

O diplomata chinês afirmou que a assistência humanitária "deve ser garantida" em Gaza, "uma calamidade" que mostra que "a longa ocupação dos territórios palestinianos é um facto que não deve continuar a ser ignorado".

"A aspiração dos palestinianos a um Estado independente não pode continuar a ser ignorada. Não se pode permitir que a injustiça histórica com os palestinianos fique por corrigir. Restaurar a justiça para o povo palestiniano e implementar plenamente a solução de dois Estados é a única forma de quebrar o círculo vicioso dos conflitos israelo-palestinianos", considerou.

Wang garantiu que a China vai continuar a "apoiar firmemente" a "causa justa do povo palestiniano", bem como o pleno reconhecimento como Estado na ONU.

"Apelamos a alguns membros do Conselho de Segurança para que não se coloquem no caminho para alcançar este objetivo. Acreditamos que a Palestina e Israel devem retomar as conversações de paz o mais rapidamente possível para atingir o objetivo final de uma coexistência pacífica como dois Estados e para que os povos árabe e judeu vivam em harmonia como dois grupos étnicos", afirmou.

A China está empenhada no "compromisso e na solução política para resolver desacordos e disputas" e evitar "o uso da força ou de pressões e sanções".

"O que é necessário é o diálogo com a máxima paciência, procurando um terreno comum que satisfaça as necessidades de todas as partes em todas as questões polémicas. A China promove sempre as conversações para a paz. A China nunca atira achas para a fogueira", sublinhou.

Nos últimos meses, o país asiático apelou para "todos os esforços possíveis para proteger os civis e evitar uma catástrofe humanitária ainda mais grave".

Pequim manifestou igualmente o apoio à "causa justa do povo palestiniano para restaurar os seus direitos e interesses legítimos" e à "solução dos dois Estados", tendo responsáveis chineses realizado numerosas reuniões com representantes de países árabes e muçulmanos para reafirmar esta posição ou tentar fazer avançar as conversações de paz.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+