Tempo
|
A+ / A-

Japão apela a nova pausa humanitária que permita ajuda na Faixa de Gaza

05 dez, 2023 - 05:30 • Lusa

As forças israelitas avançaram para o sul da Faixa de Gaza na segunda-feira e bombardearam o enclave, elevando para 15.899 o número total de vítimas palestinianas desde que o conflito começou, a 07 de outubro.

A+ / A-

O Governo japonês pediu hoje a Israel e ao Hamas que negoceiem um novo cessar-fogo para se conseguir uma pausa humanitária que permita a entrada de ajuda na Faixa de Gaza.

As forças israelitas avançaram para o sul da Faixa de Gaza na segunda-feira e bombardearam o enclave, elevando para 15.899 o número total de vítimas palestinianas desde que o conflito começou, a 07 de outubro.

O porta-voz do Governo, Hirokazu Matsuno, manifestou a preocupação do Japão com o agravamento da situação, que descreveu como "crítica, especialmente do ponto de vista humanitário".

"O Japão continua a envidar esforços diplomáticos junto dos países relacionados e das organizações internacionais para exigir o respeito pela lei e pela resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com o objetivo de tomar medidas concretas para melhorar a situação humanitária e libertar imediatamente os reféns", afirmou.

Para Matsuno, é "necessário" que todas as partes envolvidas tomem medidas para evitar vítimas civis.

O Japão, atual presidente rotativo do Grupo dos Sete (Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido, Estados Unidos e União Europeia), tem apelado a este cessar-fogo juntamente com outros países do G7.

No início de novembro, os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 também assinaram uma declaração conjunta na qual apelavam ao respeito pelo direito internacional e se comprometiam a empenhar-se na procura de "uma solução estável em Gaza, a fim de alcançar uma paz duradoura".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+