Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Faixa de Gaza

Israel reivindica ataque a centro militar do Hamas e morte de 50 milicianos

09 nov, 2023 - 18:22 • Lusa

Exército sustenta que "forças de infantaria, blindados e engenheiros de combate" atacaram uma zona militar do Hamas no centro da cidade de Gaza.

A+ / A-

O Exército israelita anunciou esta quinta-feira ter abatido 50 milicianos palestinianos nos últimos dias de combates na cidade de Gaza, onde disse ter atacado o "coração militar" do Hamas, próximo do hospital de Shifa, o principal da Faixa de Gaza.

Num comunicado, o Exército sustenta que "forças de infantaria, blindados e engenheiros de combate" atacaram uma zona militar do Hamas no centro da cidade de Gaza, com o apoio da força aérea e de unidades de elite.

Durante os combates dos últimos dias na zona, acrescenta-se no comunicado, as tropas israelitas "eliminaram cerca de 50 terroristas" e destruíram "infraestruturas terroristas, incluindo uma vasta rede de túneis subterrâneos", fábricas de produção de mísseis antitanque e locais de lançamento de foguetes.

Esta zona militar, reivindicou o Exército, "é o coração das atividades operacionais e de informação do Hamas e foi utilizada, entre outras coisas, para planear e preparar os operacionais do Hamas para o ataque assassino de 07 de outubro".

O Exército defendeu que a zona albergará também os "quartéis-generais dos serviços secretos e da força aérea" do Hamas, centros de treino militar e gabinetes governamentais do movimento islamita, incluindo o Ministério do Interior.

"Todas as infraestruturas terroristas acima referidas estão próximas de instalações civis como escolas, jardins-de-infância, clínicas médicas e mesquitas. Esta é mais uma prova de que a organização terrorista utiliza os residentes da Faixa de Gaza como escudo humano para as suas atividades terroristas assassinas", argumentou o Exército israelita, que referiu que os combates continuam hoje na zona.

Israel declarou guerra ao Hamas a 7 de outubro, na sequência de um ataque do grupo islamita que incluiu o lançamento de foguetes e a infiltração de cerca de 3 mil milicianos que massacraram cerca de 1.400 pessoas - na sua maioria civis - e raptaram mais de 240 pessoas de aldeias israelitas perto de Gaza.

Desde então, o Exército israelita tem respondido com bombardeamentos pesados diários na Faixa de Gaza e uma incursão terrestre sem precedentes nos últimos anos, deixando mais de 10.800 palestinianos mortos, cerca de 27 mil feridos e pelo menos 2.500 desaparecidos, a grande maioria dos quais civis, no meio de uma terrível crise humanitária.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+