Tempo
|
A+ / A-

"Nível mais elevado de emergência" em Israel. Embaixada em Lisboa confirma "estado de guerra"

07 out, 2023 - 11:26 • Lusa

“Sob o disfarce de uma barragem de foguetes lançados a partir de Gaza, dirigidos a civis, dezenas de terroristas infiltraram-se em Israel”, indica representação diplomática.

A+ / A-

A Embaixada de Israel em Portugal confirmou este sábado que o Exército israelita declarou “estado de guerra e o nível mais elevado de alerta de emergência” após os ataques do Hamas a território israelita com vítimas civis.

A Embaixada acrescentou que as Forças de Defesa de Israel (IDF) “convocaram a mobilização de [soldados na] reserva” e pediram a “todos os cidadãos que permaneçam nas suas casas”.

“Israel está consternado com o ataque surpresa e a agressão não provocada. Israel tem não apenas o direito, mas o dever de defender os seus cidadãos, as suas vidas e segurança”, considerou a Embaixada israelita em Lisboa, num comunicado.

O grupo islâmico Hamas lançou hoje, às 06h30 da manhã, um ataque contra Israel a partir da Faixa de Gaza, com o lançamento por ar de mais de 5 mil foguetes.

Segundo a representação israelita em Lisboa, “sob o disfarce de uma barragem de foguetes lançados a partir de Gaza, dirigidos a civis, dezenas de terroristas infiltraram-se em Israel” e, desde então, “a maioria dos cidadãos israelitas está escondida em abrigos”.

“Os terroristas entraram em residências particulares, fizeram reféns, mataram civis e sequestraram soldados, civis e corpo [cadáveres] para Gaza. Temos a confirmação de vítimas civis israelitas à medida que os terroristas continuam a visar civis, mulheres e crianças. Em Gaza, desde a manhã, estão a acontecer celebrações pela morte de israelitas”, acrescentou.

O grupo Jihad Islâmica na Cisjordânia juntou-se ao Hamas “e apelou à ‘mobilização total’ para matar israelitas”, acrescentou a Embaixada, destacando também que “as mesquitas em Shoafat (Jerusalém Oriental) estão a pedir aos civis muçulmanos em Israel que peguem em armas e matem israelitas também”.

O comandante do braço armado do Hamas confirmou hoje o início da operação “Tempestade Al-Aqsa”, com o lançamento de mais de 5 mil foguetes para Israel a partir de Gaza, apelando à sublevação de todos os árabes em território israelita.

O comandante lamentou que os pedidos do Hamas de “intercâmbios humanitários” tenham sido rejeitados e que “as violações na Cisjordânia continuem todos os dias”.

Em resposta, Israel bombardeou pelo ar várias instalações do Hamas na Faixa de Gaza iniciando a operação “Espadas de Ferro”, anunciou o Exército.

Até ao momento, a escalada deixou três mortos confirmados, um em Israel e dois em Gaza, segundo fontes oficiais, embora estes sejam números provisórios.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+