Tempo
|
A+ / A-

Discurso de Lula da Silva na ONU com mensagem contra a desigualdade e a fome

19 set, 2023 - 18:46 • Lusa

Depois de elencar problemas causados pela desigualdade, o Presidente brasileiro defendeu que "é preciso antes de tudo vencer a resignação, que nos faz aceitar tamanha injustiça como fenómeno natural. Para vencer a desigualdade, falta vontade política daqueles que governam o mundo".

A+ / A-

O Presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, abriu os debates da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), esta terça-feira, com uma mensagem contra a fome, a pobreza e as desigualdades que existem no mundo.

"A fome, tema central da minha fala neste Parlamento Mundial 20 anos atrás, atinge hoje 735 milhões de seres humanos, que vão dormir esta noite sem saber se terão o que comer amanhã", disse Lula da Silva na abertura dos debates gerais da 78.ª Assembleia-Geral da ONU.

"O mundo está cada vez mais desigual. Os 10 maiores bilionários possuem mais riqueza que os 40% mais pobres da humanidade. O destino de cada criança que nasce neste planeta parece traçado ainda no ventre de sua mãe. A parte do mundo em que vivem seus pais e a classe social à qual pertence sua família irão determinar se essa criança terá ou não oportunidades ao longo da vida", acrescentou.

Depois de elencar problemas causados pela desigualdade, o Presidente brasileiro defendeu que "é preciso antes de tudo vencer a resignação, que nos faz aceitar tamanha injustiça como fenómeno natural. Para vencer a desigualdade, falta vontade política daqueles que governam o mundo".

Lula da Silva, que está no terceiro mandato presidencial, retorna ao plenário da ONU após 14 anos. A última vez que discursou como Presidente brasileiro na ONU foi em 2009.

Hoje, o chefe de Estado brasileiro lamentou ter de mencionar mais uma vez a fome e as desigualdades como duas grandes ameaças que pesam sobre a humanidade, como fez em 2003, na primeira vez em que discursou neste fórum global.

Lula da Silva afirmou que, agora, vinte anos depois de participar pela primeira vez na ONU, a desigualdade se soma às consequências do aquecimento global, que "são mais sofridas pelos países mais pobres", mas garantiu que não perde "a esperança" de que a comunidade internacional saberá como "corrigir o rumo" e "concentrar a sua agenda global no combate a todas as desigualdades".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+