Tempo
|
A+ / A-

Mais de 330 migrantes resgatados por navio dos Médicos Sem Fronteiras

16 set, 2023 - 18:36 • Lusa

Meloni escreveu ontem à noite uma carta à presidente da Comissão, pedindo-lhe que visitasse a ilha “para compreender pessoalmente a gravidade da situação”.

A+ / A-

Mais de 330 migrantes foram resgatados este sábado pelo navio da organização não governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) quando tentavam atravessar o Mediterrâneo central a caminho da ilha italiana de Lampedusa.

Segundo fontes dos MSF, o navio humanitário “Geo Barents” completou até hoje oito operações de resgate e está em contacto com as autoridades italianas para realizar novas ações humanitárias.

Entretanto, a ilha italiana de Lampedusa, a mais próxima de África, continua mergulhada no caos após a chegada de mais de 10.000 migrantes em apenas três dias, dos quais 2.500 ainda aguardam a transferência para outros portos e daí para centros de acolhimento.

De acordo com várias fontes, durante o dia de hoje registaram-se momentos de tensão devido à sobrelotação e à longa espera contra a qual algumas pessoas protestaram.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, desloca-se amanhã a Lampedusa, tal como solicitado ontem por escrito pela primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni.

Meloni escreveu ontem à noite uma carta à presidente da Comissão, pedindo-lhe que visitasse a ilha “para compreender pessoalmente a gravidade da situação”.

Entretanto, os migrantes continuam as suas arriscadas viagens, algumas envolvidas em tragédias, como uma mulher que esta noite deu à luz um filho enquanto tentava atravessar o Mediterrâneo numa barcaça com outras quarenta pessoas. Quando a guarda costeira italiana veio em seu socorro, deparou-se com o recém-nascido morto e a sua mãe a necessitar de assistência médica.

Nas últimas horas, as chegadas foram contidas e esta noite cerca de 120 pessoas chegaram à ilha por meios próprios, sendo a maioria identificada e posteriormente transferida para outros portos de Itália.

Perante a emergência, Giogia Meloni anunciou ontem um pacote de medidas para dissuadir os migrantes que tentam chegar irregularmente a Itália, incluindo o alargamento do período de detenção nos hospitais para 18 meses, o máximo permitido por lei nos centros de detenção de pessoas que aguardam repatriamento.

Com os números em constante evolução, até agora este ano desembarcaram em Itália 127.207 imigrantes, quase o dobro dos 66.237 do mesmo período de 2022 e o triplo de 2021 (42.750), segundo dados atualizados sexta-feira pelo Ministério do Interior italiano.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+