A+ / A-

Ucrânia critica declaração dos líderes do G20 sobre guerra que não menciona Rússia

09 set, 2023 - 18:48

"A Ucrânia agradece aos parceiros que tentaram incluir palavras fortes no texto. Ao mesmo tempo, em relação à agressão da Rússia contra a Ucrânia, o G20 não tem nada do que se orgulhar", disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia.

A+ / A-

Kiev criticou a declaração dos líderes do G20 sobre a guerra na Ucrânia, na qual denunciaram o uso da força, mas não mencionaram a Rússia.

"A Ucrânia agradece aos parceiros que tentaram incluir palavras fortes no texto. Ao mesmo tempo, em relação à agressão da Rússia contra a Ucrânia, o G20 não tem nada do que se orgulhar", disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Oleg Nikolenko.

Na cimeira de Nova Deli, os líderes do G20 consensualizaram este sábado uma declaração que insta "todos os Estados" a evitarem "a ameaça ou o uso da força para conquistar territórios", mas não inclui uma condenação da guerra na Ucrânia.

Em linha com a Carta das Nações Unidas e referindo-se à guerra na Ucrânia, o texto apela a "todos os Estados" que se abstenham do uso da força para agir contra a "integridade territorial e a soberania ou a independência política de qualquer Estado".

A declaração destaca "o sofrimento humano e o impacto negativo adicional da guerra na Ucrânia", embora não inclua uma condenação explícita do conflito.

Os líderes das principais economias ricas e em desenvolvimento citam especificamente o impacto da guerra na cadeia alimentar e na segurança energética, bem como na estabilidade financeira, na inflação e no crescimento económico, destacando o seu impacto especial nos países em desenvolvimento.

O texto ressalva que houve "diferentes considerações sobre a situação".

Da mesma forma, a declaração recorda as discussões realizadas na cimeira do G20 em Bali, no ano passado, e cita como então as resoluções adotadas no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a guerra na Ucrânia, recordando que todos os países "devem agir em conformidade" com os princípios da ONU.

Em 2022, o comunicado da cimeira do G20 em Bali incluía um parágrafo em que a maioria dos membros "condenava veementemente a guerra na Ucrânia" e sublinhava que o conflito "está a causar imenso sofrimento humano e a agravar as fragilidades existentes na economia global".

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse que, apesar de ser menos duro do que em 2022, o documento da cimeira inclui "uma série de parágrafos significativos" sobre a guerra na Ucrânia.

"Na nossa opinião, o documento faz um bom trabalho ao apoiar o princípio de que os Estados não podem usar a força para violar a integridade territorial de outros", disse Sullivan, em declarações aos jornalistas em Nova Deli.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+