A+ / A-

Kiev anuncia abertura de corredores no Mar Negro para exportar cereais

10 ago, 2023 - 15:44 • Lusa

O porta-voz ucraniano diz que navios que exportam cereais "não representam qualquer ameaça militar", apesar de Moscovo considerar qualquer navio que use os portos ucranianos um alvo potencial.

A+ / A-

A Ucrânia anunciou esta quinta-feira a abertura de corredores temporários no Mar Negro para permitir o transporte de cereais, apesar de a Rússia ter avisado que os navios poderão ser alvos das forças russas.

"Foram anunciados corredores temporários para os navios comerciais que entram e saem dos portos marítimos ucranianos no Mar Negro", anunciou a marinha ucraniana num comunicado.

"Os corredores estão abertos desde a meia-noite", disse à agência francesa AFP o porta-voz da marinha, Oleg Tchalyk, sem especificar por quanto tempo.

Não foi imediatamente esclarecido se algum navio já tinha deixado a costa ucraniana.

De acordo com Oleg Tchalyk, todos os navios que viajam no Mar Negro a partir de portos ucranianos "serão equipados com câmaras de vigilância", a fim de tornar a viagem "o mais transparente possível".

Os navios que exportam cereais ucranianos "não representam qualquer ameaça militar", disse o porta-voz à AFP.

Em meados de julho, a Rússia pôs termo ao acordo que permitia a saída de cereais ucranianos dos portos do sul do país desde o verão passado.

Os cereais estavam retidos nos portos devido ao bloqueio imposto pela Rússia, no âmbito da guerra que iniciou contra o país vizinho em 24 de fevereiro de 2022.

Em 19 de julho, Moscovo avisou que qualquer navio que usasse os portos ucranianos seria considerado um alvo potencial.

Kiev reagiu no dia seguinte, dizendo que o mesmo se aplicaria aos navios russos.

Desde então, o número de ataques no Mar Negro aumentou de ambos os lados, e o exército russo atacou várias vezes Odessa, um importante porto no sul da Ucrânia, bem como os portos fluviais de Izmaïl e Reni.

Kiev denunciou os ataques como um meio de dificultar as exportações de cereais.

As perturbações nas exportações de cereais e outros produtos agrícolas provocadas pela guerra fizeram recear uma situação de insegurança a nível global.

Antes da guerra, a Ucrânia e a Rússia forneciam, em conjunto, 28% do trigo consumido no mundo, 29% da cevada, 15% do milho e 75% do óleo de girassol, segundo a revista britânica The Economist.

As Nações Unidas assinaram, em julho de 2022, acordos com a Rússia e a Ucrânia, que envolveram também a Turquia, para permitir escoar os cereais retidos em portos ucranianos.

Um ano depois, Moscovo não aceitou renovar os acordos alegando que as sanções ocidentais não permitiam fazer cumprir um dos termos, que era a exportação dos produtos russos, incluindo fertilizantes.

De acordo com a ONU, o acordo permitiu exportar "mais de 32 milhões de toneladas de produtos alimentares de três portos ucranianos do Mar Negro para 45 países em três continentes".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+