Tempo
|
A+ / A-

Jens Stoltenberg

Secretário-geral da NATO quer "garantir que a Ucrânia vence" a guerra com a Rússia

20 abr, 2023 - 18:08 • Redação com Lusa

O secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, garante que a questão da adesão dos ucranianos será debatida na cimeira de julho, na Lituânia.

A+ / A-

O secretário-geral da NATO declarou, esta quinta-feira, que a sua prioridade é uma vitória militar ucraniana sobre a Rússia.

Em declarações em Kiev, ao lado do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, Jens Stoltenberg salientou que a questão da adesão da Ucrânia à Aliança será debatida em julho, na cimeira da organização.

"O futuro da Ucrânia está na família euro-atlântica, o futuro da Ucrânia está na NATO. Ao mesmo tempo, o principal objetivo da Aliança, dos aliados, é garantir que a Ucrânia vença [a guerra]", afirmou.

O norueguês acrescentou que o assunto estará em discussão na próxima cimeira da NATO, que se realiza a 11 e 12 de julho em Vilnius, na Lituânia.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    20 abr, 2023 Lisboa 17:57
    Acho muito bem que a Ucrânia seja recebida na NATO, não só por causa de ser um País 100% comprometido com os valores da UE e Ocidentais - se até fez uma revolução para retirar do poder um pró-Moscovo que os queria integrar na Rússia como o Lukaschenko está a fazer à Bielorrússia - como por ser uma gigantesca barreira a iniciativas Russas na direção da Europa. Sem contar que a Rússia não quer tal, e começa logo com as costumeiras ameaças nucleares quando se fala no assunto, como se as ameaças nucleares da Rússia por tantas vezes usadas, ainda assustassem alguém. Percebo que não possa ser enquanto durar a guerra - isso punha a NATO automaticamente em guerra com a Rússia - mas não vejo porque não possa ser feito depois do armistício - Paz verdadeira, nunca haverá entre Rússia e Ucrânia, para os próximos 50 anos.

Destaques V+