Tempo
|
A+ / A-

GUERRA NA UCRÂNIA

Rússia quer "destruir a União Europeia e a unidade das democracias europeias"

27 fev, 2023 - 09:30 • José Pedro Frazão , Pedro Valente Lima

No que toca a uma possível mediação, "nem a Rússia, nem a Ucrânia estão preparadas para negociar", sublinha o investigador Carlos Gaspar.

A+ / A-

A estratégia russa de aproximação à China pressupõe a "destruição das democracias europeias", aponta Carlos Gaspar, do Instituto Português de Relações Internacionais.

Em entrevista à Renascença, o investigador argumenta que enquanto a Rússia estiver "numa linha de convergência e num quadro de aliança com a China, qualquer ideia de que a Rússia vai regressar à Europa é uma ilusão".

"As elites russas não são a favor dessa linha estratégica. Jogaram a fundo e, de certa maneira, foram longe demais no percurso de convergência com a China para a criação de uma grande Eurásia. É um projeto estratégico alternativo ao projeto europeu. É um projeto [que] para poder sobreviver tem de destruir a União Europeia e a unidade das democracias europeias."

Carlos Gaspar considera ainda que, neste momento, "nem a Rússia, nem a Ucrânia estão preparadas para negociar". "E não estão preparadas para negociar, porque nem Kiev, nem Moscovo desistiram de ganhar a guerra."

"Nem a Ucrânia, nem o Presidente ucraniano, nem o Presidente russo estão em condições de perder a guerra nessa situação. Nestas circunstâncias, não há mediação que nos valha", lamenta o investigador.

Após um ano de guerra, a Rússia não apresenta quaisquer sinais de cedência ou de reaproximação ao espaço europeu. Ainda no sábado passado, a Rússia anunciava o corte de fornecimento de petróleo à Polónia, um dia depois de a União Europeia ter aprovado o 10.º pacote de sanções a Moscovo.

No minuto de silêncio em memória das vítimas da invasão russa, na sessão do Conselho de Segurança da ONU da passada sexta-feira, o embaixador russo, Vasily Nebenzya, não se levantou e começou a bater na mesa, pedindo um momento para as vítimas "caídas desde 2014", ano em que a Rússia lançou uma ofensiva no leste da Ucrânia - e anexou a província da Crimeia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+