Siga-nos no Whatsapp
A+ / A-

Zelensky. "Ucrânia merece começar este ano a discutir adesão à UE"

02 fev, 2023 - 23:44 • Lusa

Von der Leyen garantiu à Ucrânia o total apoio da UE, tendo chegado a Kiev acompanhada por 15 comissários e também pelo chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell.

A+ / A-

O Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, afirmou esta quinta-feira que o seu país, invadido pela Rússia em 2022, ganhou o mérito de iniciar conversações "este ano" com vista à entrada na União Europeia (UE).

"Acho que a Ucrânia merece iniciar negociações sobre a sua adesão à UE este ano", disse o chefe de estado ucraniano, na véspera da cimeira de alto nível em Kiev entre as autoridades ucranianas, representadas por Zelensky, e de Bruxelas, com as presenças da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

Von der Leyen garantiu à Ucrânia o total apoio da UE, tendo chegado a Kiev acompanhada por 15 comissários e também pelo chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell.

A Comissão classificou a visita como um "símbolo forte" do apoio europeu à Ucrânia "diante da agressão injustificada da Rússia".

O Conselho da UE adotou o sétimo pacote de assistência militar à Ucrânia, no valor de 500 milhões de euros, e uma verba de 45 milhões para financiar a Missão de Assistência Militar.

Segundo um comunicado do Conselho, o sétimo pacote de assistência às Forças Armadas da Ucrânia, disponibilizado através do Mecanismo Europeu de Apoio à Paz (MEAP), foi adotado em Bruxelas no âmbito da cimeira entre a UE e a Ucrânia, na sexta-feira, em Kiev, e eleva o contributo europeu para os 3,6 mil milhões de euros.

Os Estados-membros deram ainda luz verde a uma nova verba de 45 milhões de euros para financiar a Missão de Assistência Militar da UE (UEMAM Ucrânia) e que se destina a "fornecer o equipamento e materiais não letais necessários, bem como os serviços de apoio às atividades de formação".

A UE conta também adotar o décimo pacote de sanções à Rússia até 24 de fevereiro, data em que se assinala um ano desde o início da invasão da Ucrânia, anunciou hoje a presidente da Comissão Europeia em Kiev.

Numa conferência de imprensa conjunta com o Presidente ucraniano, por ocasião da reunião entre o colégio da Comissão Europeia e o governo ucraniano celebrada em Kiev, Ursula von der Leyen garantiu que a UE vai continuar a fazer o Presidente russo, Vladimir Putin, pagar pela sua guerra atroz, com a adoção de novas sanções ainda este mês.

"Antes de Rússia começar a guerra, alertámos muito claramente sobre os custos económicos enormes que iríamos impor em caso de invasão, e hoje a Rússia está a pagar um preço elevado, à medida que as nossas sanções estão a asfixiar a sua economia", apontou a presidente do executivo comunitário.

O Parlamento Europeu, por sua vez, aprovou uma deliberação que exorta a União Europeia (UE) a concretizar a adesão da Ucrânia e a avançar com o novo pacote de sanções à Rússia. O texto foi aprovado com 489 votos a favor, 36 contra e 49 abstenções.

A adesão da Ucrânia à UE alimenta discórdia entre os Estados-membros, mas na cimeira bilateral a Comissão quer alicerçar o compromisso com a integração e mostrar apoio inequívoco perante a Rússia, segundo fonte europeia.

A ambição da Ucrânia é clara: aderir ao bloco comunitário até 2026. Ainda que, do lado da UE, a integração não esteja em causa, o prazo certamente será outro, segundo reforçou hoje fonte europeia durante uma antecipação da cimeira de sexta-feira em Kiev, capital do país que foi invadido pela Rússia há quase um ano.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+