Siga-nos no Whatsapp
A+ / A-

ONU pede levantamento da imunidade de responsáveis por violência no Sudão

02 fev, 2023 - 19:19 • Lusa

Diplomata pede "um roteiro claro para a reforma do setor da segurança", o principal ponto de discórdia entre os civis e os militares no Sudão.

A+ / A-

O novo perito em direitos humanos da ONU para o Sudão, Radhouane Nouicer, defendeu esta quinta-feira o levantamento da imunidade dos responsáveis pela violência no país, mais de um ano após um golpe de Estado ter interrompido a transição democrática.

O diplomata tunisino substituiu em dezembro o senegalês Adama Dieng, que se demitiu depois de também ter apelado a julgamentos e ao fim da repressão que matou mais de 120 ativistas que se opunham ao golpe liderado em 25 de outubro de 2021 pelo general Abdel Fattah al-Burhan.

Desde sábado, Nouicer reuniu-se com funcionários civis e militares no Sudão, incluindo Al-Burhan - que se tornou o líder de facto do país desde o golpe - e o seu vice-general Mohammed Hamdan Daglo, chefe dos temidos paramilitares das Forças de Apoio Rápido (RSF).

Numa conferência de imprensa em Cartum, o diplomata disse ter "recomendado" que sejam levados à justiça "o mais depressa possível" os membros das forças de segurança responsáveis pela morte dos manifestantes.

Também defendeu o levantamento da "imunidade das forças de segurança envolvidas em violações dos direitos humanos".

Os representantes da sociedade civil, acrescentou, queixaram-se de "restrições cada vez mais rigorosas" e, observou, "a falta de confiança está a crescer".

Em janeiro, o diálogo político no Sudão entrou na sua segunda fase sem qualquer agenda ou calendário formal para a implementação do acordo que o enquadra.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+