Tempo
|
A+ / A-

EUA

Única vacina em estudo contra o VIH/Sida cancelada na última fase dos ensaios clínicos

23 jan, 2023 - 17:16 • Vítor Mesquita com redação

À Renascença, o presidente da Sociedade Portuguesa de Virologia explica que é difícil a construção de uma vacina por causa da elevada mutabilidade do Vírus da Imunodeficiência Humana.

A+ / A-

Apesar das boas perspetivas, a única vacina em estudo para o combate ao Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH), que provoca a Sida, foi cancelada. Apesar de ter passado em todos os ensaios clínicos, acabou por ser travada na última fase antes da luz verde para comercialização.

Os institutos nacionais de saúde dos EUA revelam que os ensaios realizados em três continentes e com 3.900 voluntários mostraram que a vacina era segura. mas que não protege contra a infeção por VIH.

À Renascença, o presidente da Sociedade Portuguesa de Virologia explica que é difícil a construção de uma vacina contra o VIH, por causa da elevada mutabilidade deste vírus.

"[A vacina] pode provocar proteção contra algumas estirpes de vírus mas não contra todas, porque o problema no desenvolvimento das vacinas contra os vírus da Imunodeficiência Humana é precisamente a sua variabilidade genética, ou seja, as estirpes de vírus não são todas iguais, há uma grande variabilidade, e o nosso sistema pode construir defesas contra alguns vírus mas não contra todos", explica Vítor Duque.

O virologista não ficou surpreendido com o cancelamento da vacina contra o VIH, citando um "acidente de percurso", mas defende que é preciso continuar a trabalhar.

"Não é a primeira vez que isto acontece, aliás, todos os estudos e todos os protótipos vacinais que têm sido desenvolvidos contra o VIH não têm produzido os resultados que se esperava, ao contrário do que tem acontecido com as vacinas contra outros vírus", explica o virologista.

"São acidentes de percurso e vamos ter de falhar ainda muito mais vezes para chegarmos a uma vacina que seja eficaz na prevença da doença ou eventualmente que possa ajuda na terapêutica dos doentes."

Embora haja boas perspetivas, é preciso pensar que, dada a complexidade da construção de uma vacina contra este tipo de doença, pode nunca vir a concretizar-se Ainda assim, a esperança é a palavra de ordem, ressalta Vítor Duque.

"Eu diria talvez como disse uma vez o diretor do Instituto Nacional para as Doenças Infecciosas dos EUA, o dr. Anthony Fauci, que temos de admitir que pode inclusivamente nem ser possível o desenvolvimento de uma vaicna contra o VIH. Temos de ser otimistas, há boas possibilidades, agora não sabemos também exatamente quando, será a médio, longo prazo, provavelmente."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+