Tempo
|
A+ / A-

China. Incêndio em fábrica de químicos faz 38 mortos

22 nov, 2022 - 18:00 • Lusa

Há registo de dois feridos. As autoridades chinesas não revelaram pormenores sobre a possível causa do incêndio.

A+ / A-

Um incêndio ocorrido nas instalações de uma empresa que lida com produtos químicos e outros bens industriais, na província de Henan, no centro da China, causou a morte de 38 pessoas, informaram hoje as autoridades locais.

Em comunicado, o governo da cidade de Anyang acrescentou que duas pessoas ficaram feridas durante o incidente, ocorrido esta segunda-feira. Os bombeiros levaram cerca de três horas e meia para controlar o incêndio, que começou por volta das 16h30 na China (08h30 em Lisboa).

Imagens difundidas pela televisão estatal CCTV mostram chamas e fumo a sair do que parece ser um edifício de dois andares tomado pelo fogo. Fotos noturnas mostram os bombeiros a examinar o que restou da estrutura, com uma escada de extensão e luzes.

As autoridades não detalharam a causa do incêndio.

A China tem um histórico alargado de acidentes industriais mortais, causados pela fraca implementação de medidas de segurança, alimentadas pela concorrência entre empresas e corrupção nos organismos encarregues da supervisão.

Más condições de armazenamento, saídas de emergência trancadas e falta de equipamento de combate a incêndios são frequentemente citadas como causas diretas.

As informações disponíveis online sobre a empresa proprietária do edifício, a Kaixinda, revelam que se trata de um grossista que lida com uma ampla gama de produtos industriais, incluindo produtos químicos especializados.

Uma grande explosão, em 2015, num depósito de produtos químicos na cidade portuária de Tianjin, no norte da China, resultou na morte de 173 pessoas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+