Tempo
|
A+ / A-

Míssil que caiu na Polónia. Rússia e países da NATO trocam argumentos sobre responsabilidades

17 nov, 2022 - 07:49 • Marisa Gonçalves

Incidente foi discutido na reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Dirigentes ocidentais insistem na necessidade de evitar uma escalada na guerra.

A+ / A-

Apesar de tudo indicar que foi um míssil ucraniano que caiu na Polónia, em resultado de uma ação da defesa aérea ucraniana, os países da NATO recordam que não teria acontecido se não fosse a guerra conduzida pela Rússia. A tese foi defendida pela embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas.

“Apesar de não conhecermos todos os factos, uma coisa é certa. Esta tragédia não teria acontecido se não fosse a invasão desnecessária da Rússia à Ucrânia e os recentes ataques com mísseis contra as infraestruturas civis da Ucrânia”, disse Linda Thomas-Greenfield, defendendo que “a carta da ONU é clara. A Ucrânia tem todo o direito de se defender destes ataques. Defender a sua soberania e defender a sua integridade territorial.”

Os dirigentes ocidentais insistem, contudo, na necessidade de evitar uma escalada na guerra.

Já do lado russo, o embaixador na ONU, Vassily Nebenzia, acusou a Ucrânia de querer provocar uma guerra entre a NATO e Moscovo.

“Volodymyr Zelensky certamente sabia que os mísseis que atingiram a Polónia eram mísseis ucranianos lançados pela defesa antiaérea de Kiev. Isso significa que houve uma tentativa de desinformar e uma tentativa de envolver a NATO e conduzir uma guerra por procuração contra a Rússia. As fotos divulgadas nas redes sociais deixam-nos sem margem para dúvidas que os mísseis que atingiram a Polónia são da Ucrânia. Isto é algo que até já foi confirmado pela NATO e pelo Ocidente”, argumenta.

A Ucrânia continua a rejeitar que o míssil que provocou dois mortos na Polónia seja ucraniano. O representante do Governo de Kiev nas Nações Unidas responsabilizou a Rússia e defendeu uma investigação completa ao incidente.

“Apoiamos uma investigação transparente para apurar os factos deste trágico incidente e estamos prontos a cooperar com o lado polaco de forma a contribuir para essa investigação. Tornou-se claro que a guerra de agressão russa contra a Ucrânia e que tem como base o uso de mísseis de forma regular, continua a ser a única origem da violência e do sofrimento humano na Ucrânia e em outros lugares. A embaixadora dos Estados Unidos, Linda Thomas Greenfield lembrou que a Ucrânia tem direito à sua defesa neste conflito”, disse Sergiy Kyslytsya, o embaixdor ucraniano.

Destaque ainda para as declarações do Presidente norte-americano produzidas no regresso após a viagem à Indonésia para a cimeira do G20.Questionado sobre as declarações do Presidente ucraniano de que o míssil ou misseis que caíram na Polónia não seriam de origem ucraniana, Joe Biden afirmou não ser essa a evidência

Entretanto, a Rússia convocou o embaixador polaco em Moscovo. O ministério dos Negócios Estrangeiros russo transmitiu o seu desagrado ao diplomata polaco pelo que diz ser o reforço de uma histeria antirrussa, na Polónia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+