Tempo
|
A+ / A-

​Zelensky garante que míssil que atingiu Polónia não é ucraniano

16 nov, 2022 - 17:37 • Ricardo Vieira

Presidente ucraniano quer participar na investigação.

A+ / A-

O Presidente Volodymyr Zelensky acredita que o míssil que explodiu na Polónia não é ucraniano e quer participar na investigação.

"Não tenho dúvidas de que não foi um míssil ou um ataque nosso. Temos que participar da investigação”, declarou Volodymyr Zelensky, num vídeo divulgado esta quarta-feira pela imprensa internacional.

“Quero que sejamos justos e se foi a nossa defesa aérea, então quero esta evidência", sublinhou o Presidente ucraniano.

Duas pessoas morreram, na terça-feira, em resultado da queda de um míssil na localidade polaca de Przewodów, a poucos quilómetros da fronteira com a Ucrânia.

O míssil teve origem na Ucrânia e não na Rússia, disse esta quarta-feira o secretário-geral da NATO. Em conferência de imprensa, depois de uma reunião de emergência dos aliados, em Bruxelas, Jens Stoltenberg disse que o incidente terá sido causado pelo sistema de mísseis da Força Aérea ucraniana.

As declarações seguiram-se às do Presidente da Polónia, Andrzej Duda, que já tinha indicado uma "elevada probabilidade" de o míssil ter sido lançado a partir da Ucrânia e não da Rússia, no que os aliados classificam como um erro de cálculo da parte de Kiev.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sim, venha a Ucrânia
    16 nov, 2022 é parte a quem interessa a verdade 20:17
    Sim, vamos envolver a Ucrânia nas investigações. Afinal, estão a dizer que "foram eles", embora se apressem a dizer que "só estavam a defender-se". Então convém esclarecer tudo muito bem...

Destaques V+