Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

NATO confirma: míssil que atingiu a Polónia teve origem na Ucrânia e não na Rússia

16 nov, 2022 - 12:07 • Joana Azevedo Viana

Ainda assim, o secretário-geral da NATO defende que "a culpa não é da Ucrânia", mas sim da Rússia, por manter em curso a "guerra ilegal" contra Kiev.

A+ / A-

O ataque de ontem à noite que vitimou duas pessoas na fronteira polaco-ucraniana teve origem na Ucrânia e não na Rússia, confirmou esta quarta-feira o secretário-geral da NATO.

Em conferência de imprensa, depois de uma reunião de emergência dos aliados, em Bruxelas, Jens Stoltenberg disse que o incidente terá sido causado pelo sistema de mísseis da Força Aérea ucraniana.

O responsável da aliança adiantou que não há qualquer indicação de que se tenha tratado de um ataque deliberado nem de que a Rússia esteja a preparar uma ofensiva militar contra Estados-membros da NATO.

Ainda assim, Stoltenberg refere um "incidente infeliz" cuja responsabilidade recai, em última instância, sobre a Rússia.

"Isto não é culpa da Ucrânia. A Rússia carrega a responsabilidade última [pelo incidente] na medida em que continua a sua guerra ilegal contra a Ucrânia."

As declarações seguiram-se às do Presidente da Polónia, Andrzej Duda, que já tinha indicado uma "elevada probabilidade" de o míssil ter sido lançado a partir da Ucrânia e não da Rússia, no que os aliados classificam como um erro de cálculo da parte de Kiev.

Esta manhã, duas fontes com conhecimento da análise oficial dos EUA ao incidente já tinham indicado que o míssil a atingir a Polónia ontem teria sido lançado a partir da Ucrânia e não da Rússia, apesar de o míssil ser de fabrico russo -- isto depois de o Presidente norte-americano, Joe Biden, ter destacado que era "improvável" que o ataque tivesse tido origem na Rússia.

O míssil em questão atingiu os arredores da zona rural polaca de Przewodow, a cerca de seis quilómetros a oeste da fronteira com a Ucrânia.

O ataque teve lugar à mesma hora em que a Rússia lançou a sua maior ofensiva com mísseis em mais de um mês contra uma série de cidades ucranianas, destruindo mais infraestruturas elétricas. Já esta amanhã, as sirenes de ataques aéreos voltaram a soar em toda a Ucrânia face à iminência de renovados bombardeamentos russos.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    17 nov, 2022 Lisboa 14:23
    Uma "estória" da Carochinha, para evitar ter de acionar o art.º V e estabelecer o Estado de Guerra entre a NATO e a Rússia. Por um lado é bom - exceto para os 2 polacos que morreram - por outro se foi um teste da Rússia para ver a firmeza da NATO... Já viu que é só conversa, e isso não é mau, é péssimo, pois dá ideias e o próximo "erro" não é de 2, mas de 200 mísseis...
  • Será?
    16 nov, 2022 Talvez sim, talvez não 17:22
    Ou isso, ou para evitar a III Guerra mundial até onde for possível, arranjaram uma historieta qualquer, para mascarar que um russo bêbado ou incompetente calculou mal a trajetória dos misseis, ou que estes, semi-destruídos pela anti-aérea ucraniana perderam o rumo e caíram onde não deviam, ou um tresloucado qualquer tentou desencadear a Guerra entre a Rússia e a NATO. Estas explicações parecem-me demasiado rápidas para serem verdadeiras
  • Joaquim Correto
    16 nov, 2022 Paços 12:50
    Assim como a NATO se aproveitou dos (povo) Ucranianos, agora o Zelensky está(va) a tentar manipular a NATO contra a Rússia! Só assim se compreende que após este acontecimento, o Zelensky tenha vindo dizer que era um míssil da Rússia e que a Rússia estava a "escalar" a guerra! Mais uma vez se prova que o Zelensky não é pessoa em quem se possa confiar!

Destaques V+