Tempo
|
A+ / A-

Costa confiante em eventual reprogramação de fundos europeus

21 out, 2022 - 17:00 • Rosário Silva , com Redação

Debate não foi “conclusivo”, diz o primeiro-ministro. Não houve consenso sobre ajudas às famílias e empresas para aliviar a crise energética.

A+ / A-

O primeiro-ministro diz ter saído “animado” do Conselho Europeu que terminou esta sexta-feira em Bruxelas.

Apesar da inexistência de consenso sobre ajudas às famílias e empresas para mitigar a crise energética, António Costa está confiante numa eventual reprogramação de fundos já existentes.

“Saio animado deste Conselho Europeu. Tendo ouvido que não haverá dinheiro novo, vi também ser admitida a possibilidade de dar nova utilização às verbas que já foram autorizadas serem utilizadas pela Comissão Europeia”, revelou.

Segundo António Costa não está descartada a “possibilidade de utilização, por exemplo, dos empréstimos não utilizados no âmbito do ‘NextGeneracionEU’, traduzido para português no âmbito do nosso PRR (Plano de Recuperação e Resiliência)”.

A convicção do chefe do Governo português nestas eventuais soluções é sustentada pelo facto de “ter sido admitida até por líderes que, normalmente, resistem bastante".

“Se [as verbas] podem ser utilizadas só para investimento ou para a mitigação do preço que as empresas e as famílias estão a pagar, é um ponto sobre o qual ainda não há consenso”, admitiu.

Na quinta-feira, primeiro dia do Conselho Europeu, os chefes de Governo e de Estado da União Europeia concordaram trabalhar em medidas para conter os elevados preços da energia, agravados pela guerra da Ucrânia.

"Não tendo sido conclusivo", o debate decorreu "no bom sentido" pelos esforços para ir "ao encontro" das necessidades de todos os Estados-membros, mencionou, António Costa, classificando de “construtiva” a discussão, no sentido de se encontrar uma "resposta solidária e comum".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+