Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

"Anexação ilegal". MNE chama embaixador russo para condenar tomada de regiões na Ucrânia

03 out, 2022 - 18:59 • André Rodrigues com Lusa

Diretor-Geral de Política Externa apelou junto do embaixador russo para que o Kremlin anule a decisão de anexar as regiões de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporíjia. Embaixador russo em Lisboa contrapõe, dizendo que os referendos correspondem a "um direito consagrado na Carta das Nações Unidas".

A+ / A-

O ministério dos Negócios Estrangeiros confirma que convocou o embaixador da Rússia em Lisboa para lhe comunicar a condenação do Governo português à anexação das regiões de Donetsk, Lugansk, Zaporíjia e Kherson.

Em comunicado enviado às redações, o gabinete do ministro João Gomes Cravinho esclarece que a diplomacia portuguesa transmitiu a Mikhail Kamynin “a firme rejeição e a inequívoca condenação do Governo português quanto à recente anexação pela Rússia dos territórios ucranianos de Donetsk, Lugansk, Zaporíjia e Kherson”.

No encontro, mantido esta segunda-feira, o Diretor-Geral de Política Externa portuguesa, Rui Vinhas, sublinhou que esta “é uma anexação é ilegal e que configura uma violação grosseira do Direito Internacional, cujos efeitos Portugal jamais reconhecerá”.

O responsável diplomático português apelou, ainda, junto do embaixador russo para que o Kremlin anule a decisão de anexar as quatro regiões cuja anexação foi referendada na última semana.

Além disso, “foi transmitido ao Embaixador da Federação Russa em Lisboa que esta anexação põe em causa a ordem internacional e a arquitetura de segurança europeia, pelo que a União Europeia adotará medidas restritivas adicionais e continuará a apoiar a integridade territorial e a soberania da Ucrânia”, conclui o comunicado do ministério dos Negócios Estrangeiros.

"Direito consagrado na Carta da ONU", contrapõe embaixador russo

Na resposta à diplomacia portuguesa, o embaixador russo em Lisboa disse que os referendos nas regiões ucranianas anexadas pela Rússia correspondem a "um direito consagrado na Carta das Nações Unidas".

"[Com] a realização dos referidos referendos tornou-se [possível] a concretização do direito inalienável dos habitantes das repúblicas das regiões do Donbass [Donetsk e Lugansk], Zaporijia e Kherson, consagrado na Carta da ONU, que afirma diretamente o princípio da igualdade e autodeterminação dos povos", realçou a Embaixada da Rússia em Lisboa, em comunicado, após o seu embaixador ter sido convocado pelo Governo português.

Confrontado com a "firme rejeição" e a "inequívoca condenação" do Governo português da anexação das regiões separatistas da Ucrânia, "os parceiros portugueses foram informados da posição russa exposta no discurso do Presidente Vladimir Putin na cerimónia no (...) Kremlin a 30 de setembro de 2022, cujo texto integral foi entregue a Rui Vinhas", referiu a Embaixada da Rússia em Portugal".

"Também durante a conversa, alguns aspetos da atual situação geopolítica do mundo foram brevemente abordados", acrescentou ainda a embaixada russa na nota de imprensa.

[notícia atualizada às 20h30]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Digo
    04 out, 2022 Eu 11:25
    Gastar o latim com gente russa, é deitar palavras à rua. Eles vivem uma Realidade alternativa, que só se cura, a tiro, e é a tiro que o Ocidente tem de correr com eles para o interior das fronteiras da Rússia. As fronteiras reconhecidas internacionalmente, bem entendido. Não é para as fronteiras com que eles "sonham".

Destaques V+