Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

"Senhor Putin, não faça confusão". Biden garante que os EUA estão prontos para defender "cada milímetro" do território NATO

30 set, 2022 - 19:27 • André Rodrigues

Reagindo à oficialização da tomada, pela Rússia, de quatro regiões separatistas da Ucrânia, o Presidente norte-americano deixou a garantia de que o Ocidente não se deixará intimidar por ameaças. E prometeu reforçar o apoio militar a Kiev.

A+ / A-

O presidente dos Estados Unidos disse, esta sexta-feira, que vai continuar a apoiar a Ucrânia com equipamento militar "para que possa defender o seu território e a sua integridade".

Reagindo ao discurso que Vladimir Putin proferiu na cerimónia que oficializou a anexação das regiões de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporíjia, Joe Biden deixou a garantia de que o Ocidente não se deixará intimidar pelas ameaças endereçadas pelo líder do Kremlin.

"Ele não pode simplesmente tomar partes do território dos seus vizinhos como se nada fosse... é tão simples quanto isso. Por isso, vamos manter o nosso rumo: vamos continuar a disponibilizar apoio com equipamento militar para que a Ucrânia possa defender o seu território e a sua liberdade", assegurou o Presidente norte-americano.

"Senhor Putin, não faça confusão"

Sem responder diretamente ao pedido feito esta sexta por Volodymyr Zelensky, para que a Ucrânia seja aceite de imediato na NATO, Biden lembrou que "a América, juntamente com os seus aliados da NATO, está totalmente preparada para defender cada milímetro do território da aliança. Senhor Putin, não faça confusão com o que estou a dizer: cada milímetro", rematou o Presidente dos Estados Unidos.

Nord Stream sabotados? "Rússia difunde mentiras"

Noutro plano, Joe Biden reagiu, às acusações feitas por Vladimir Putin que atribuiu as explosões no gasoduto Nord Stream ao Ocidente. Para o Presidente norte-americano, trata-se de um "ato deliberado de sabotagem".

Admitindo que ainda "não se sabe" qual a origem da fuga de gás dos gasodutos submarinos, Joe Biden diz que está a colaborar com os aliados para um total esclarecimento, com o objetivo de "reforçar a proteção destas estruturas cruciais".

"Não vamos escutar o que Putin diz porque sabemos que não é verdade (...) a Rússia está a difundir mentiras", rematou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Desabafo Assim
    01 out, 2022 Porto 13:34
    Os governantes das democracias ainda não se deram conta da fragilidades, o mundo mudou, cada década desta aldeia global representam séculos no passado, o aquecimento global é verificável, mas devido à agenda pessoal do próprio planeta e não pelo fininho dos combustíveis fósseis e não fósseis. A primavera árabe foi um tsunami fruto da aldeia global. Não sei até que ponto, hoje está aldeia global tolera guerras por procurações, antes de tomar atitudes irreversíveis é bom que se pense nos tiros que saem pela culatra, a grande marcha de Mão Tsé-Tung ,tal como a dos afegãos é imparável e pode começar numa pequena aldeia no interior e tal como o tsunami leva tudo pela frente. Atenção às guerras por procuração agora as vidas valem todas o mesmo.
  • Cidadao
    30 set, 2022 Lisboa 19:26
    Defender cada milímetro de território NATO é o mínimo exigido. Apoiar maciçamente a Ucrânia e os Países que quiserem aderir à NATO, é o que se pede em seguida. E pelo meio, lembrar a esse canalha russo, que por cá no Ocidente, também temos armas nucleares, e se ele não as quiser ver de perto, é melhor meter a viola no saco.

Destaques V+