Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Grupos bolsonaristas no WhatsApp gritam “fraude”... se Lula ganhar

28 set, 2022 - 06:30 • Manuela Pires

Há uma máquina de propaganda e desinformação na campanha para as eleições presidenciais do próximo domingo, no Brasil. De suspeitas de fraude eleitoral a igrejas fechadas, investigadora Andressa Liegi Costa explica como apoiantes de Bolsonaro disseminam teorias da conspiração, notícias falsas e criam narrativas.

A+ / A-

VEJA TAMBÉM:


Andressa Liegi Costa analisa, desde o início da campanha eleitoral para as presidenciais de domingo no Brasil, grupos no WhatsApp, principalmente ligados ao Presidente e recandidato Jair Bolsonaro.

Esta investigadora do Centro de Administração e Políticas Públicas, do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, diz em entrevista à Renascença que a descredibilização das sondagens e a fraude eleitoral são as principais mensagens que circulam nos milhares de grupos de WhatsApp bolsonaristas. Andressa Leigi Costa fala num vasto ecossistema na internet de apoio a Jair Bolsonaro.

Em 2018, os grupos de WhatsApp de Jair Bolsonaro foram uma novidade na campanha eleitoral. Este ano, há milhares de grupos que partilham todos os dias centenas de mensagens. Por exemplo, está a estudar 14 mil grupos públicos bolsonaristas. Como é que estes grupos funcionam?

Sim. Na verdade, esse é o grupo que estamos a estudar. É impossível saber o número exato de grupos bolsonaristas, mas são muito mais do que estes 14 mil. Estes grupos estão interligados com outras redes sociais, que partilham temas quentes, as mensagens que são tendência durante um dia ou uma semana.

Estes grupos têm um lado pró-ativo, ou seja, de construção de narrativas e de ideias que esse grupo passa. E também têm um lado reativo, que é uma resposta a notícias ou eventos que acontecem e que se transformam em narrativas.

Mas esses grupos são públicos. Por exemplo, o ZAP, que tem um site onde se intitulam o maior grupo de direita de apoio a Bolsonaro. Eles avisam que “os grupos servem apenas para distribuição de conteúdo positivo em prol do Brasil e de Jair Bolsonaro”. Como é que funciona?

Neste caso do ZAP, no site há links para cada uma das regiões do país, mas também de outros países onde há uma grande comunidade de brasileiros, como por exemplo Portugal.

Dentro do ecossistema Bolsonaro, há links nas redes sociais que vão circulando na internet e é muito fácil para as pessoas entrarem nestes grupos.

A poucos dias da primeira volta das eleições, qual é a principal mensagem que circula nesses grupos?

Há uma narrativa principal, que está a ser usada desde antes do período de campanha eleitoral, e a que eles chamam Data Povo, para contraporem às sondagens feitas pelo Data Folha [Instituto de pesquisas do grupo de empresas do qual o jornal Folha de São Paulo faz parte].

Há vários meses que o candidato do PT, Lula da Silva, está em vantagem nas sondagens, quer na primeira, quer na segunda volta, e estes grupos querem fazer ver que a única sondagem que interessa é a do povo.

Em várias mensagens e vídeos mostram que Lula é o principal candidato da oposição que não tem apoio popular e não consegue mobilizar as pessoas para as ações de campanha de rua, ao contrário de Bolsonaro que mobiliza o povo em torno da sua candidatura e que, por isso, não pode perder no dia 2 de outubro.

E muitas das imagens que estão a circular são as imagens do dia 7 de setembro, o Dia da Independência, em Brasília e no Rio de Janeiro?

O 7 de setembro foi muito importante para consolidar essa narrativa, porque foi justamente o momento em que a campanha de Bolsonaro conseguiu mobilizar o maior número de pessoas nas ruas. E as imagens e os vídeos foram circulando para mostrar o tamanho dessas manifestações, para fazer ver quantas pessoas Bolsonaro consegue colocar na rua.

A partir daí começa a ser trabalhada uma narrativa secundária, mas que é, nesta altura, a principal usada por Bolsonaro nesta corrida eleitoral, que é a possibilidade de existir fraude nas urnas de voto. Esse é o argumento central que sustenta a ideia de fraude eleitoral.

Mas há também uma mensagem que a campanha de Bolsonaro quer fazer passar e que diz respeito à prisão de Lula da Silva e ao facto do antigo Presidente ter sido ou não inocentado.

Neste momento, a possibilidade de fraude está a ganhar mais peso. Mas também é certo que estas mensagens associam sempre Lula à corrupção e à sua conduta moral.

Há uns meses circulava também uma outra ideia, que é falsa, que dizia que se Lula e a esquerda vencessem as eleições, as igrejas iam fechar. Todas essas narrativas são muito trabalhadas nas redes, mas, agora, as mais importantes são a questão da fraude nas urnas e da descredibilização das sondagens.

Podia dar um exemplo de como é feita essa descredibilização das sondagens?

Eles usam imagens, normalmente de pesquisas, que colocam Bolsonaro na frente na primeira volta e muitas delas com cerca de 70%, 72% contra Lula da Silva. Mas é apenas uma imagem, não é citado o autor da sondagem.

Mas há casos ainda mais graves. Por exemplo, o Jornal Nacional, que é o principal noticiário da televisão brasileira, divulgou uma sondagem. Rapidamente começaram a surgir vídeos nos grupos de apoiantes de Bolsonaro onde o atual Presidente aparecia na frente. Editaram os vídeos, alteraram a fala do jornalista: onde ele dizia “Lula” colocaram “Bolsonaro”, e vice-versa.

E estas mensagens que circulam nos grupos estão a ser monitorizadas pelas autoridades brasileiras?

Há alguns instrumentos que foram criados como, por exemplo, um sistema de alertas público para as pessoas poderem denunciar informações falsas de ataques nas eleições.

Também foi criado um canal para onde as pessoas podem enviar notícias, para saber se a informação é verdadeira ou falsa.

Desde 2018 que foram tomadas medidas para evitar a propagação de informações falsas, as “fake news”.

A Andressa é investigadora na área da Ciência Política e é analista de dados. Qual é a principal diferença com a campanha de 2018?

Há quatro anos, era ainda uma novidade a distribuição tão massiva de informação dentro do WhatsApp e o fenómeno das “fake news” era algo que ainda não estava no radar dos brasileiros. Aliás, foi a partir daí que se começou a entender o fenómeno. Nestas eleições de 2022, a extrema-direita consolidou estes grupos de apoio a Bolsonaro.

De que forma?

Eles conseguiram construir um ecossistema dentro das redes. Além dos grupos no WhatsApp, eles têm portais de notícias que são específicos ligados a esse segmento. Há ainda um grupo grande de influenciadores digitais e canais de media especialmente no YouTube.

Foi criado um ambiente próprio de informação de apoio a Bolsonaro. Por isso, se uma pessoa, que se identifica com ele, e se consome apenas informações relacionadas com Bolsonaro, pode muito bem viver num ambiente onde nunca vai ter acesso a informação externa.

E da parte da candidatura de Lula da Silva também há esta construção de narrativas nos grupos de WhatsApp?

Há alguns grupos de esquerda ligados à campanha de Lula, mas numa proporção muito menor. Não usam este tipo de conteúdos, ainda que se verifiquem muitas partilhas de informação. Nesses grupos há uma maior variedade nas fontes da informação. O ambiente nestes grupos é muito diferente.

A Andressa estuda em Portugal, mas no momento em que estamos a fazer esta entrevista está em São Paulo…

Eu viajei para o Brasil para votar e para poder observar estas mobilizações de perto. Tem havido grandes mobilizações por parte das duas principais candidaturas.

Nesta última semana de campanha, nos grupos de WhatsApp, Bolsonaro está convocando para uma última “motociata” [passeio de moto] para o sábado, mesmo antes do dia da votação. Mas penso que a principal preocupação nesta altura é saber o que vai acontecer no dia a seguir às eleições.

Se vai haver segunda volta e os cenários que se colocam…

Em primeiro lugar, saber qual vai ser a reação de Bolsonaro. Pode ser um acaso, mas não é impossível Lula vencer já na primeira volta, no próximo domingo. E o que mais se fala aqui no Brasil é qual vai ser a reação de Bolsonaro em caso de derrota.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    28 set, 2022 Lisboa 20:54
    A escumalha pró-Bolsonaro é tão original que se põe a imitar o Trump...

Destaques V+