Tempo
|
A+ / A-

Portugal espera que novo Governo italiano cumpra obrigações face a Bruxelas

27 set, 2022 - 13:45 • Lusa

Ministro dos Negócios Estrangeiros lembra "legitimidade ao povo italiano de escolher quem entender para governar o seu país".

A+ / A-

Portugal espera que o novo Governo italiano de extrema-direita, liderado por Giorgia Meloni, cumpra todas as suas obrigações assumidas no quadro da União Europeia (UE), declarou esta terça-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho.

"A Itália é um país democrático. Reconhecemos toda a legitimidade ao povo italiano de escolher quem entender para governar o seu país e trabalharemos com o governo italiano", afirmou Gomes Cravinho à margem do lançamento de um selo solidário com o povo ucraniano.

"Temos expectativas que o Governo italiano saiba cumprir todas as suas obrigações assumidas no quadro da União Europeia (UE) e, portanto, aguardamos agora para ver quais são as decisões concretas a assumir pelo futuro governo italiano", disse o ministro português.

João Gomes Cravinho também sublinhou que "a Itália é um país importante no quadro europeu exatamente devido à sua escala e também à sua história".

"A Itália é um dos seis membros fundadores da União Europeia e, portanto, a nossa expectativa é que o futuro Governo italiano, ou qualquer outro, cumpra as suas obrigações face à União Europeia", reforçou o ministro dos Negócios Estrangeiros.

João Gomes Cravinho falou aos jornalistas no final da cerimónia de lançamento pelos CTT de um selo solidário com o povo ucraniano. As verbas angariadas com o selo serão revertidas para ações em favor da Ucrânia.

O partido de extrema-direita Irmãos de Itália (FdI), de Giorgia Meloni, venceu as eleições de domingo com 26 por cento dos votos, e a coligação que lidera obteve uma maioria clara no parlamento, segundo resultados finais publicados hoje.

A Liga, de Matteo Salvini, conseguiu 8,8% dos votos (contra 13% em 2018), e a Força Itália, do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, 8,1% (14% em 2018), de acordo com os números do Ministério do Interior italiano. A coligação destes três partidos e de uma formação mais pequena com menos de 01% obteve 43,8% dos votos.

Estes resultados da coligação liderada por Meloni traduzem-se em 237 dos 400 lugares na Câmara dos Deputados, e em 115 dos 200 lugares no Senado.

O Partido Democrata (PD), de centro-esquerda, foi o segundo mais votado, com 19% dos votos nas eleições legislativas antecipadas. Em conjunto com os seus aliados verdes e de esquerda, terá 84 lugares na Câmara dos Deputados e 44 no Senado.

O Movimento 5-Estrelas obteve 15,4% dos votos, o que lhe vale 52 lugares na Câmara dos Deputados e 28 no Senado. A aliança centrista Azione conseguiu 7,8% dos votos e ocupará 21 lugares na Câmara dos Deputados e nove no Senado. Os lugares restantes serão distribuídos por partidos mais pequenos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+