Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Presidenciais no Brasil

Ausência de Lula marca o segundo debate televisivo no Brasil

25 set, 2022 - 11:16 • Diogo Camilo

Bolsonaro aproveitou o debate presidencial para criticar a "ausência do presidiário" e rejeitou as acusações de corrupção durante o seu mandato. Lula tinha confirmado a sua presença, mas acabou a promover ações de campanha nas ruas de São Paulo.

A+ / A-

O segundo debate televisivo com os vários candidatos às eleições presidenciais do Brasil ficou marcado pela ausência de Lula da Silva, do PT, que inicialmente tinha confirmado a sua presença.

O encontro, promovido pelas redes de televisão SBT e CNN, o jornal 'Estadão'/Rádio Eldorado, o site Terra, a revista Veja e a Rádio Nova Brasil FM, contou com a presença de Jair Bolsonaro, Ciro Gomes, Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke, Luís Felipe D'Ávila e o Padre Kelmon.

Todos os candidatos dirigiram críticas a Lula, que lidera atualmente as sondagens e optou por realizar eventos de campanha em São Paulo. Bolsonaro foi um dos mais críticos, chamando o ex-presidente de “presidiário” e fazendo alusão ao caso Lava Jato.

“[Este debate] perdeu em grande parte pela ausência do presidiário, daquele homem responsável pelo maior escândalo de corrupção na humanidade, que roubou empregos e sonhos de muita gente, que colocou o Brasil numa pobreza quase absoluta”, disse o atual chefe de Estado brasileiro.

Bolsonaro recusou ainda as acusações de corrupção durante o seu mandato e disse que o seu governo foi “o que mais atendeu” às necessidades dos pobres e que mais emprego criou no país.

Ciro Gomes também aproveitou para criticar a ausência de Lula, usando a presença do presidente brasileiro como arremesso. “Lula disse que toda a gente tem de deixar de ser candidato para combater o fascismo, que ele acha que é o Bolsonaro. Vem o fascita aqui e ausenta-se. Isso não é combater o fascismo.”

Um dos candidatos, o Padre Kelmon, que se identifica como clérigo ortodoxo, mas que os medias locais dizem não ser ligado a nenhuma Igreja - que teve sua candidatura pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) confirmada no início deste mês -, mostrou o seu apoio a Bolsonaro com vários elogios.

As eleições presidenciais no Brasil têm a primeira volta marcada para 02 de outubro e a segunda, caso seja necessária, para 30 de outubro.

Às presidenciais brasileiras concorrem onze candidatos: Jair Bolsonaro, Luiz Inácio Lula da Silva, Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D'Ávila, Soraya Tronicke, Eymael, Padre Kelmon, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.

O terceiro debate televisivo entre candidatos está marcado para esta quinta-feira, no Rio de Janeiro, promovido pela TV Globo, GloboNews,Valor Econômico e Portal G1.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+