Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ucrânia. Último reator de Zaporijia já foi desligado

11 set, 2022 - 11:17 • Lusa

A última linha de energia tinha sido cortada na segunda-feira, deixando a central sem qualquer tipo de fonte de energia exterior.

A+ / A-
peritos da Agência Internacional de Energia Atómica visitam central nuclear de Zaporíjia - Zaporijia Foto: D. Candano Laris/AIEA/EPA
peritos da Agência Internacional de Energia Atómica visitam central nuclear de Zaporíjia - Zaporijia Foto: D. Candano Laris/AIEA/EPA
peritos da Agência Internacional de Energia Atómica visitam central nuclear de Zaporíjia - Zaporijia Foto: D. Candano Laris/AIEA/EPA
peritos da Agência Internacional de Energia Atómica visitam central nuclear de Zaporíjia - Zaporijia Foto: D. Candano Laris/AIEA/EPA

A operadora nuclear ucraniana revelou este domingo que foi desligado o último dos seis reatores de Zaporijia, após ter sido restabelecido fornecimento de eletricidade a Enerhodar, cidade onde está localizada a maior central nuclear da Europa.

A Energoatom adiantou que uma das linhas que ligava a central à rede nacional ucraniana de eletricidade foi restaurada na noite de sábado, permitindo à empresa encerrar o último reator.

A última linha de energia tinha sido cortada na segunda-feira, deixando a central sem qualquer tipo de fonte de energia exterior.

Zaporijia era até ao momento alimentada pelo único dos seis reatores que se mantinha operacional, fornecendo energia aos seus sistemas de segurança.

No sábado, os presidentes ucraniano e francês, Volodymyr Zelensky e Emmanuel Macron, insistiram na necessidade de garantir a segurança de Zaporijia, alertando para a "situação muito preocupante" vivida naquela infraestrutura.

De acordo com o Eliseu, citado por agências noticiosas, nesta conversa telefónica os dois presidentes reiteraram o apoio ao trabalho da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA)", que na sexta-feira tinha alertado para a "situação insustentável" em Zaporijia devido ao apagão em Enerhodar.

Zelensky e Macron sublinharam a exigência de garantir a retirada das tropas russas daquela zona para garantir a segurança em Zaporijia.

Segundo o Presidente ucraniano foi dado muito tempo à crise na central nuclear de Zaporijia.

"A nossa posição é que a única maneira de proteger a Europa de um desastre nuclear é desmilitarizar a central", afirmou.

Num vídeo publicado na página oficial da AIEA na sexta-feira, o diretor-geral da agência, Mariano Grossi, deu conta da "grave situação" que aconteceu na noite de quinta-feira em Zaporijia na sequência de um apagão em Enerhodar, devido a um bombardeamento que destruiu a infraestrutura de energia que alimenta a cidade.

"Esta é uma situação insustentável e cada vez mais precária. Enerhodar escureceu. A central nuclear não tem energia externa. E vimos que quando a infraestrutura foi reparada, acabou por ser danificada novamente", lamentou.

A ofensiva militar lançada em 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de quase 13 milhões de pessoas -- mais de seis milhões de deslocados internos e quase sete milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções em todos os setores, da banca à energia e ao desporto.

A ONU apresentou como confirmados 5.587 civis mortos e 7.890 feridos, sublinhando que os números reais são muito superiores e só serão conhecidos no final do conflito.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+