Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Coreia do Norte declara como "irreversível" o estatuto de potência nuclear

09 set, 2022 - 04:29 • Lusa

O regime de Pyongyang reitera que nunca abandonará o seu arsenal nuclear nem cederá às sanções internacionais.

A+ / A-

A Coreia do Norte aprovou uma lei que autoriza o lançamento de ataques "automáticos" com armas nucleares e que declara como "irreversível" o estatuto de potência nuclear do país, avança a imprensa estatal.

"Se o sistema de comando e controlo da força nuclear nacional estiver em risco de ser atacado por forças hostis, um ataque nuclear é realizado automaticamente e imediatamente", refere a lei, citada pela KCNA.

Segundo a agência de notícias oficial norte-coreana, se a liderança de Pyongyang, incluindo Kim Jong Un, estivesse em perigo, um contra-ataque nuclear seria lançado, independentemente do tipo de ataque sofrido.

A lei foi aprovada numa sessão do parlamento do país na quinta-feira, durante a qual o líder norte-coreano garantiu que Pyongyang nunca abandonará o seu arsenal nuclear nem cederá às sanções internacionais contra o seu programa de armamento, nem mesmo "em centenas de anos".

"Isto é interpretado com o propósito de sublinhar à comunidade internacional que a Coreia do Norte é um Estado com armas nucleares 'de facto'", disse Kim Jong Un.

O líder defendeu que as armas nucleares são necessárias para combater a hostilidade dos Estados Unidos, país que acusou de organizar uma campanha de pressão cujo "objetivo final" é derrubar o governo da Coreia do Norte.

Os contactos diplomáticos entre Washington e Pyongyang estão congelados desde 2019 devido a divergências sobre o alívio de sanções internacionais contra a Coreia do Norte e sobre uma eventual desnuclearização da península coreana.

Kim Jong Un criticou também os planos da vizinha Coreia do Sul de expandir as suas capacidades de ataque convencionais e de retomar exercícios militares em larga escala com os Estados Unidos, descrevendo-os como uma ação militar "perigosa" que aumenta as tensões.

Kim realizou testes de armas a um ritmo recorde este ano, lançando mais de 30 mísseis balísticos, incluindo as primeiras demonstrações de mísseis balísticos intercontinentais desde 2017.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+