Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Grécia negou entrada a mais de 150 mil migrantes sem documentos em 2022

04 set, 2022 - 15:16 • Lusa

O controlo de fronteiras é uma das principais prioridades do Governo grego.

A+ / A-

A Grécia bloqueou a entrada de mais de 150 mil migrantes sem documentos nas suas fronteiras terrestres e marítimas desde o início do ano, revelou, este domingo, o ministro das Migrações da Grécia.

"A entrada de 154.102 imigrantes irregulares foi impedida desde o início do ano. Só em agosto cerca de 50 mil tentaram entrar na Grécia", disse Notis Mitarachi, em entrevista ao jornal "Eleftheros Typos".

O controlo de fronteiras é uma das principais prioridades do Governo grego, que chegou ao poder em 2019 e tem como objetivo a reeleição no próximo ano.

O Governo anunciou no mês passado planos para estender por 80 quilómetros um muro de 40 quilómetros ao longo da fronteira greco-turca marcada pelo rio Evros de forma a controlar o fluxo de migrantes.

Também irá instalar câmaras térmicas e colocar mais 250 guardas nas fronteiras.

A Grécia é muitas vezes o país escolhido por migrantes que fogem de África e do Médio Oriente para tentar encontrar uma vida melhor na União Europeia.

Milhares de pessoas passam pela Turquia cruzando o Evros ou tentando a travessia do Mar Egeu.

A Grécia tem sido repetidamente criticada por alegadas represálias ilegais de migrantes, de acordo com relatos publicados por organizações não-governamentais, pela AFP e outros meios de comunicação, mas Atenas sempre negou.

Este domingo, Mitarachi negou que Atenas estivesse envolvida na repressão ilegal de migrantes, acusando a Turquia de forçá-los a cruzar a fronteira.

Em agosto, o governante acusou a Turquia de ter forçado um grupo de migrantes a cruzar a fronteira para o território grego, dizendo que Ancara não havia resgatado o grupo quando estava inicialmente em território turco.

Grupos de direitos humanos disseram na altura que uma criança de cinco anos que fazia parte do grupo havia morrido depois do governo grego ter negado durante dias que os imigrantes estivessem em território grego.

Mitarachi insistiu, este domingo, que a família em questão disse que tinha quatro filhos e todos foram resgatados pela polícia grega.

"Para simplificar, a família trouxe quatro crianças e resgatámos quatro", disse, acrescentando que foram registadas "muitas inconsistências" no que a família disse "no início, no que disse depois e no que foi comprovado até agora".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+