Tempo
|
A+ / A-

Munique 1972. Alemanha confirma 28 milhões para familiares das vítimas do ataque à aldeia olímpica

02 set, 2022 - 21:40 • Lusa

Chanceler alemão, Olaf Scholz, "está muito feliz com o acordo alcançado com as famílias das vítimas", 50 anos depois do massacre que vitimou 11 atletas israelitas nos Jogos Olímpicos de 1972.

A+ / A-

O Governo alemão confirmou hoje que as famílias dos 11 atletas israelitas mortos por militantes palestinianos nos Jogos Olímpicos de Munique em 1972 receberão um total de 28 milhões de euros em indemnizações.

O valor - que inclui pagamentos já feitos - já havia sido divulgado anteriormente pelos meios de comunicação alemães e israelitas, mas não havia sido comunicado oficialmente pelo Governo da Alemanha.

É um aumento significativo em relação à oferta inicial de 10 milhões de euros às famílias, 50 anos depois do ataque aos atletas israelitas em Munique, que é assinalado na segunda-feira.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, "está muito feliz com o acordo alcançado com as famílias das vítimas", disse o porta-voz do Governo da Alemanha, Steffen Hebesteit, aos jornalistas em Berlim.

"A Alemanha está a enfatizar a sua responsabilidade pelos erros que foram cometidos em 1972, mas também nas décadas que se seguiram", acrescentou.

Como parte de um acordo com as famílias, a Alemanha concordou em reconhecer as falhas que as autoridades cometeram na época e permitir que historiadores alemães e israelitas revisem os eventos que cercaram o ataque.

Membros do grupo palestiniano Setembro Negro invadiram a Vila Olímpica, mataram dois atletas da seleção nacional de Israel e fizeram mais nove reféns em 05 de setembro de 1972. Os atacantes esperavam forçar a libertação de prisioneiros palestinianos mantidos por Israel, bem como dois extremistas de esquerda que estavam presos na Alemanha Ocidental.

Todos os nove reféns e um polícia alemão morreram durante uma tentativa de resgate pelas forças de segurança da Alemanha. Familiares dos atletas acusam a Alemanha de não proteger a Vila Olímpica, recusar a ajuda de Israel e depois conduzir mal a operação de resgate.

Imediatamente após o ataque, a Alemanha efetuou pagamentos aos familiares das vítimas no valor de cerca de 4,19 milhões de marcos (cerca de dois milhões de euros), segundo o Ministério do Interior do país. Em 2002, os familiares sobreviventes receberam mais três milhões de euros, informou a agência de notícias alemã DPA.

Questionado se a Alemanha aceitaria um pedido de desculpas pelo ataque da atual liderança palestiniana, Hebestreit disse: "Sim, gostaríamos".

O porta-voz declarou que a questão não foi discutida numa recente reunião em Berlim com o Presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, que rejeitou perguntas sobre um possível pedido de desculpas e acusou Israel de cometer "50 holocaustos" contra palestinianos, provocando indignação na Alemanha e em outros países.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+