Tempo
|
A+ / A-

China envia tropas para a Rússia, mas nega que tenha a ver com o conflito na Ucrânia

17 ago, 2022 - 14:07 • Rosário Silva , com agências

O Ministério da Defesa chinês fala apenas na realização de exercícios militares ao abrigo de “um acordo de cooperação bilateral anual”.

A+ / A-

A China anunciou esta quarta-feira o envio de tropas chinesas para a Rússia, para participar em exercícios militares conjuntos, com a participação também da Índia, Bielorrússia, Mongólia, Tajiquistão e outros países.

A informação, veiculada pelo Ministério da Defesa da China, esclarece que os exercícios conjuntos não estão “relacionados com a atual situação internacional e regional" que se vive.

Em julho, Moscovo já tinha anunciado a intenção de realizar estes exercícios denominados "Vostok", entre 30 de agosto e 5 de setembro, independentemente dos gastos “dispendiosos que venha a travar na Ucrânia”.

O último destes exercícios decorreu em 2018, quando a China participou pela primeira vez. O país volta a participar nas manobras ao abrigo, sublinha, de “um acordo de cooperação bilateral anual”, estabelecido com a Rússia.

"O objetivo é aprofundar a cooperação prática e amigável com os exércitos dos países participantes, aumentar o nível de colaboração estratégica entre as partes participantes, e reforçar a capacidade de responder a várias ameaças à segurança", destaca o comunicado do ministério da Defesa da China.

Sendo ou não uma iniciativa que se realiza à margem da guerra com a Ucrânia, a verdade é que o Presidente chinês Xi Jinping e o seu homólogo russo Vladimir Putin têm vindo a aprofundar relações, aproximando Pequim de Moscovo.

Basta recordar que, pouco antes da invasão russa, a 24 de fevereiro, os dois governos anunciaram uma colaboração "sem limites", apesar de fontes norte-americanos garantirem não ter conhecimento que a China tenha escapado às sanções lideradas pelos Estados Unidos contra a Rússia ou fornecer-lhe equipamento militar.

A realização destes exercícios militares acontece também numa altura em que as relações entre a América e a China chegaram a um ponto de forte tensão, provocado pela visita de Nancy Pelosi, a presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, a Taiwan.

Recorde-se que a China reclama Taiwan como parte do seu território, pese embora o Governo local, historicamente em oposição ao regime comunista, reclame a independência.

A visita de Pelosi foi, por isso, considerada uma provocação dos Estados Unidos, país que mantêm uma política de incerteza em relação à ilha, já que Washington não reconhece Taiwan como independente, mas, ao mesmo tempo, mantêm relações com o seu Governo.

Desde então, aviões e navios militares chineses têm feito uma série de exercícios militares em redor de Taiwan e com inúmeras invasões ao seu espaço aéreo.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    19 ago, 2022 Porto 17:40
    A China enviou soldados para a Rússia para ajudar na agricultura Russa. Mais que mentirosos são uns .trapaceiros, mentem como meninos irresponsáveis…

Destaques V+