Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Arábia Saudita condena estudante a 34 anos de prisão por usar Twitter

17 ago, 2022 - 16:45 • Rosário Silva

Salma al-Shehab foi detida quando estava de férias no seu país natal e se preparava para regressar à Europa, onde estuda.

A+ / A-

A Arábia Saudita condenou uma mulher, estudante, a 34 anos de prisão por manter uma conta do Twitter, partilhar conteúdos e seguir pessoas consideradas pelo regime dissidentes e ativistas.

O jornal britânico The Guardian escreve que Salma al-Shehab foi detida no seu país natal, dias antes de regressar à Europa, depois de um período de férias na Universidade de Leeds, no Reino Unido, onde está a fazer doutoramento.

Com 34 anos, a saudita é mãe de dois filhos menores, tendo sido, inicialmente, condenada a seis anos de prisão. No entanto, um recurso interposto na última semana por um procurador, alegando outras acusações, a pena foi alterada e passou para 34 anos de prisão, agravada com proibição de viajar por mais outros 34 anos.

O caso está a gerar uma onde de protestos e, de acordo coma Freedom Initiative, uma organização de Washington, nos estados Unidos, da América, esta é a mais longa sentença atribuída a uma ativista dos direitos das mulheres em Riad.

Porém, Shehab não era conhecida como ativista, nem na Arábia Saudita, nem na Europa. Na conta do Twitter, que abriu em 2010, a jovem mãe publica fotografias dos seus filhos, ainda que partilhe algumas publicações de dissidentes exilados que pedem a liberdade de prisioneiros do país.

Com acesso às transcrições do julgamento, o The Gardian revela que as novas acusações colocam Shehab a auxiliar algumas pessoas que, alegadamente, estariam a “criar tumulto e a desestabilizar a segurança civil e nacional”, ao seguir as suas contas nessa rede social.

O jornal refere ainda que a saudita ainda pode entrar com um novo recurso em sua defesa.

O caso acontece numa altura em que o príncipe saudita Mohammed bin Salman tem mantido encontros diplomáticos com representantes de outras nações ocidentais. Em julho, foi recebido em Paris por Emmanuel Macron e visitado no Médio oriente por Joe Biden. Meses antes tinha sido a vez do então primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

Aparentemente, o príncipe herdeiro e líder saudita procura “limpar” a sua imagem, depois de ter sido acusado de desrespeitar os direitos humanos e de ter mandado matar o jornalista Jamal Khashoggi.

Ativistas dos direitos humanos alertaram, entretanto, para o aumento da repressão a dissidentes e outros ativistas pró-democracia. Um alerta que já foi reproduzido pelo The Washington Post, segundo o qual, esta aproximação ao Ocidente, não é mais do que uma mera operação de “charme” para evidenciar um príncipe Mohammed “moderno”, escondendo, contudo, o lado cruel e opressivo da ditadura saudita.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+