Tempo
|
A+ / A-

Silvio Berlusconi candidato ao senado italiano aos 86 anos

11 ago, 2022 - 00:02 • Lusa

Ex-chefe do governo italiano proprietário lidera o partido de centro-direita Forza Italia, lidera a maior rede de televisão comercial do país e o grupo de 'media' Mediaset.

A+ / A-

O três vezes primeiro-ministro de Itália, Sílvio Berlusconi, prestes a cumprir 86 anos, terminou esta quarta-feira com as especulações sobre o seu futuro político, ao divulgar que vai concorrer ao Senado nas eleições legislativas de 25 de setembro.

O magnata dos 'media', atingido por vários escândalos, está fora do Parlamento italiano há quase 10 anos, mas foi eleito para o Parlamento Europeu em 2019, noticia a agência ANSA.

"Acho que vou ficar no Senado, desta forma vamos deixar toda a gente feliz", referiu Berlusconi.

Em 2013, Berlusconi foi expulso do Senado após a condenação por fraude fiscal no caso Mediaset.

O magnata, proprietário da maior rede de televisão comercial em Itália e do grupo de 'media' Mediaset, lidera o partido de centro-direita Força Itália (FI).

Na terça-feira, Berlusconi tinha referido que os seus apoiantes pediram que este avançasse.

Berlusconi já ocupou com larga margem o papel de líder do centro-direita em Itália, mas foi suplantado primeiro pelo ex-ministro do Interior anti-imigração e líder da Liga, de extrema-direita, Matteo Salvini.

Mais recentemente, é a líder pós-fascista dos Irmãos de Itália (FdI), Giorgia Meloni, que parece ter conquistado um lugar na corrida para se tornar a primeira-ministra de Itália.

A FdI perfila-se para ser o partido mais votado dentro da aliança centro-direita (como a coligação se autodenomina), com 23,8% das intenções de voto esta quarta-feira, em comparação com 12,5% para a Liga e apenas 8% para a FI.

Salvini reiterou esta terça-feira que Meloni será primeira-ministra italiana caso o seu partido alcance mais um vot que a Liga.

Mario Draghi presidiu a uma coligação de unidade nacional nos últimos 17 meses, desde fevereiro de 2021, quando foi indicado para gerir a crise da pandemia de covid-19 e a recuperação económica do país, após a queda do seu antecessor, Giuseppe Conte, líder do M5S, que esteve na base da atual crise política.

A coligação foi apoiada por praticamente todos os partidos com assento parlamentar, da esquerda à extrema-direita, exceto pelo movimento de extrema-direita de Giorgia Meloni.

No passado dia 14 de julho, Draghi anunciou que não queria continuar a governar sem o apoio do M5S, quando este partido se absteve num primeiro voto de confiança.

Nessa altura, o Presidente italiano, Sergio Mattarella, rejeitou o pedido de renúncia e pediu a Draghi para tentar novas soluções políticas, com o devido apoio no parlamento.

Na semana seguinte, Mario Draghi venceu uma segunda moção de confiança, mas perdeu o apoio de três dos partidos que apoiavam a sua coligação - o M5S, o Força Itália e a Liga - o que justificou uma nova visita ao Presidente, para lhe reiterar o pedido de demissão, que foi aceite, levando à antecipação das eleições.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+