Tempo
|
A+ / A-

Zelensky diz que G7 "tem potencial" para acabar com a guerra

27 jun, 2022 - 03:32 • Redação

O Presidente ucraniano apela às grandes economias do mundo para travarem a ofensiva russa e volta a pedir mais sanções contra Moscovo.

A+ / A-

Na sua habitual mensagem noturna, o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, insurge-se contra o disparo de mísseis russos na direção da capital ucraniana, Kiev, ao mesmo tempo que, na Alemanha, os líderes do G7 se preparavam para iniciar mais uma cimeira.

Segundo as autoridades locais, pelo menos uma pessoa morreu e seis ficaram feridas durante a ofensiva que atingiu um prédio e uma escola infantil. A Rússia nega ter bombardeado áreas residenciais e afirma ter destruído uma fábrica de mísseis.

Já na sua mais recente comunicação, o Presidente ucraniano afirma: “O que é que os mísseis de hoje nos mostram? O que é que os 62 mísseis disparados só no sábado, em apenas 24 horas, nos mostram? Mostram a caligrafia da Rússia, desencadear uma escalada a qualquer hora, quando há eventos internacionais a decorrerem. Os líderes do G7 têm potencial conjunto suficiente para parar a agressão russa contra a Ucrânia e contra a Europa”.

Na mesma mensagem, Volodymyr Zelenskiy reitera o pedido de armas e de sanções contra a Rússia.

“Os parceiros têm de ser mais rápidos, se quiserem ser realmente parceiros e não observadores. O atraso na transferência de armas para o nosso Estado, assim como quaisquer restrições, são um convite para que a Rússia intensifique os combates. (…) Estamos a falar de armas, apoio financeiro e sanções contra a Rússia”, refere.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de quatro mil civis, segundo as Nações Unidas, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    27 jun, 2022 Lisboa 09:55
    A verdadeira sanção, seria terminar de imediato e a 100%, as importações de gás, petróleo e carvão russos. Isso sim, seria um abalo catastrófico na economia russa e na capacidade de financiar a guerra. Infelizmente, graça, à cumplicidade autista, à incompetência de uns, à ganância de outros, o Ocidente e principalmente a UE, puseram-se a jeito para ficarem energética mente dependentes da Rússia e agora acham que fazem muito em elaborar um calendário em que o corte total fica para daqui a uns anos... Agradeçam a Sarkhozys, Macrons, Schroeders, Merkels e companhia. Avisos, não faltaram, mas era tão tentador combustíveis baratos... Disse a Aranha, à mosca!

Destaques V+