Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

EUA e Kiev preparam "plano B” para garantir retoma das exportações de cereais

25 jul, 2022 - 17:19 • Lusa

Plano alternativo contempla percursos rodoviários, ferroviários e por rio, e o ajustamento das ligações por comboio para que sejam compatíveis com os da Europa, indica diretora da agência internacional dos EUA para o Desenvolvimento.

A+ / A-

Os Estados Unidos e a Ucrânia estão a trabalhar num “Plano B” para garantir a exportação de cereais após o ataque russo no porto de Odessa, indicou esta segunda-feira Samatha Power, administradora da agência internacional dos EUA para o Desenvolvimento (USAID).

O “Plano B” envolve percursos rodoviários, ferroviários e por rio, e o ajustamento dos sistemas ferroviários para que possam ser compatíveis com os da Europa e assim permitir exportações mais rápidas”, disse em entrevista à cadeia televisiva CNN no domingo, em Nairóbi, após visitar regiões do Quénia e Somália assoladas por inundações.

“Estamos a elaborar um plano de contingência porque não podemos confiar de nenhuma forma naquilo que Vladimir Putin diz”, acrescentou.

Power sublinhou que apesar das garantias fornecidas por um plano de contingência, não será melhor do que "Putin acabar com o bloqueio e os cereais saírem dos portos da forma mais eficiente possível".

A Rússia, que tem em curso uma ofensiva militar na Ucrânia desde 24 de fevereiro, bombardeou no sábado o porto de Odessa, vital para o escoamento e comercialização dos cereais ucranianos.

Estes bombardeamentos foram feitos no dia seguinte à assinatura de acordos que envolveram a Rússia, a Ucrânia, a Turquia e a Organização das Nações Unidas (ONU), para permitir a exportação de cereais a partir de território ucraniano.

A Ucrânia é um dos maiores produtores de cereais do mundo e a ofensiva russa está a gerar o risco de uma crise alimentar mundial.

Os acordos assinados na sexta-feira preveem a criação de corredores para a exportação de 25 milhões de toneladas de cereais retidos nos portos do Mar Negro.

Numa cerimónia realizada na cidade turca de Istambul, com a mediação da Turquia e da ONU, foram assinados dois documentos similares mas separados – já que a Ucrânia recusou assinar o mesmo papel que a Rússia –, devendo o protocolo vigorar durante quatro meses, sendo, no entanto, renovável

Neste contexto, a responsável norte-americana disse ainda que o acordo pode funcionar” apesar de a Rússia “lhe ter virado as costas de imediato” ao bombardear o porto de Odessa.

Powel disse ainda que os preços dos cereais vão baixar caso de assegure a sua distribuição e apelou aos países que desempenham “funções de liderança no sistema internacional, como a República Popular da China claramente aspira a sê-lo”, que se empenhem de forma mais consistente para impedir que a crise alimentar “se torne numa catástrofe”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    25 jul, 2022 Lisboa 21:38
    São demasiado complacentes com a Rússia. A esta altura, já devia haver uma esquadra NATO no Mar Negro, suficientemente poderosa para quebrar bloqueio Russo e escoltar mercantes carregados de cereais. Mas para isso, era preciso haver um Ronald Reagan e não um Biden no poder nos EUA

Destaques V+