Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Separatistas apoiados por Moscovo bloqueiam Google no leste da Ucrânia

22 jul, 2022 - 10:55 • Reuters

Líder da autoproclamada República Popular de Donetsk acusa Google de promover "violência contra todos os russos", atribuindo a culpa aos "manipuladores do Governo dos EUA".

A+ / A-

Separatistas apoiados por Moscovo que controlam o Donbass, no leste da Ucrânia, bloquearam esta sexta-feira o acesso ao motor de pesquisa da Google.

A informação foi avançada pelo líder dos separatistas pró-Rússia, citando como argumento o que diz ser a "desinformação" sobre a guerra disseminada através da Google.

Numa mensagem publicada no seu canal de Telegram, Denis Pushilin, líder da autoproclamada República Popular de Donetsk, acusou a Google de promover "violência contra todos os russos", atribuindo a culpa aos "manipuladores do Governo dos EUA".

"Se a Google parar de perseguir esta política criminosa e voltar ao cumprimento da lei, moralidade e senso comum, não enfrentará quaisquer obstáculos ao seu trabalho."

Pushilin não apresentou quaisquer provas que sustentem as suas acusações. A Google ainda não reagiu ao sucedido.

Desde a invasão da Ucrânia a 24 de fevereiro, a Rússia e os seus apoiantes no leste da Ucrânia têm acusado sustentadamente empresas do Ocidente de espalharem propaganda anti-Moscovo e de assumirem uma postura unilateral face ao conflito.

Em março, a Rússia baniu o Facebook e o Instagram depois de um tribunal ter declarado a empresa detentora das redes sociais, a Meta, culpada de "atividade extremista". Antes disso, as autoridades russas já aplicavam restrições no acesso ao Facebook, nomeadamente restringindo o seu uso por empresas de media russas.

Os separatistas em Donetsk e Luhansk seguiram o mesmo caminho, bloqueando o acesso ao Facebook e ao Instagram naqueles territórios.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Digo
    22 jul, 2022 Eu 14:24
    Esperem até a Ucrânia completar a transição do armamento vetusto soviético dos anos 70, para o moderno equipamento que os EUA e o Ocidente lhe fornece todos os dias e colocar 1 000 000 de soldados a usar esse material ... Vão levar um pontapé no ... de volta para a vossa rússia.

Destaques V+