Tempo
|
A+ / A-

Atentados de Paris. Tribunal de Bruxelas absolveu quatro suspeitos de cumplicidade

30 jun, 2022 - 22:55 • Lusa

Dois arguidos foram condenados com penas suspensas, outros quatro foram condenados a trabalho comunitário.

A+ / A-

O Tribunal Penal de Bruxelas absolveu, esta quinta-feira, quatro suspeitos de cumplicidade nos atentados de Paris que provocaram 130 mortes, aplicaram penas suspensas a outros dois arguidos e condenou quatro a trabalho comunitário.

Há um mês, o Ministério Público pediu penas até cinco anos de prisão no julgamento de 14 alegados cúmplices dos comandos jihadistas que cometeram os piores ataques alguma vez registados em França.

O caso, chamado "Paris Bis", envolveu suspeitos que tinham sido excluídos dos procedimentos franceses, a maioria acusada de "participação nas atividades de um grupo terrorista".

Embora a acusação tivesse pedido um ano extra na pena de Abid Aberkane, por ter oferecido abrigo a Salah Abdeslam nos últimos três dias antes da sua detenção, em Bruxelas, o arguido foi condenado a três anos de pena suspensa.

O tribunal considerou que a ajuda prestada a "alimentar, abrigar e vestir" Salah Abdeslam foi comprovada e que Abid Aberkane agiu "com pleno conhecimento dos factos", sabendo que o jihadista, que é seu primo, era então o homem mais procurado da Europa.

Julgados à revelia, e já anteriormente condenados na Bélgica, por terrorismo, por se terem juntado, na Síria, ao autoproclamado Estado Islâmico, o tribunal presumiu que Youssef Bazarouj e Sammy Djedou tenham sido mortos durante a guerra.

Na quarta-feira, um tribunal francês considerou 19 pessoas culpadas de acusações de terrorismo relativas aos ataques de Paris.

Dos 20 réus, 19 receberam várias condenações relacionadas com terrorismo, incluindo o único terrorista sobrevivente, Salah Abdeslam, e um – Farid Kharkhach – foi condenado por uma acusação de fraude menor.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+