Tempo
|
A+ / A-

EUA. Senado aprova projeto para restringir acesso a armas de fogo

24 jun, 2022 - 06:29

A legislação pretende tornar mais exigentes as verificações de antecedentes para os compradores mais jovens de armas de fogo, exigir que mais vendedores realizem verificações de antecedentes e aumentar as penas para tráfico de armas.

A+ / A-

O Senado norte-americano aprovou um projeto de lei bipartidário para restringir o acesso a armas de fogo, nas primeiras reformas em décadas no país, na luta contra a vaga de violência armada.

Com 15 senadores republicanos a juntarem-se aos 50 democratas, a proposta foi aprovada, na quinta-feira, na câmara alta do Congresso dos Estados Unidos com 65 votos a favor e 33 contra. O diploma segue agora para a Câmara dos Representantes, dominada pelos democratas, onde a aprovação parece certa, numa votação que prevista para esta sexta-feira.

A legislação pretende tornar mais exigentes as verificações de antecedentes para os compradores mais jovens de armas de fogo, exigir que mais vendedores realizem verificações de antecedentes e aumentar as penas para tráfico de armas.

Também pretende disponibilizar mais dinheiro para estados e comunidades com o objetivo de melhorar a segurança escolar e iniciativas de saúde mental.

A lei pretende proibir parceiros condenados por violência doméstica de obter armas de fogo e fornecer dinheiro para os 19 estados e o distrito de Columbia, que facilitam a retirada temporária de armas de fogo a pessoas consideradas perigosas e para outros estados com programas de prevenção da violência.

Os assessores estimaram que a medida deverá ter um custo de cerca de 15 mil milhões de dólares (cerca de 14,2 mil milhões de euros).

O líder da maioria democrata no Senado, Chuck Schumer, considerou que o diploma “não é uma cura para todas as maneiras em como a violência armada afeta o país”, mas “um passo há muito necessário na direção certa. Aprovar este projeto de lei de segurança de armas é realmente significativo e vai salvar vidas”.

O líder da minoria republicana no Senado norte-americano, Mitch McConnell, disse que “o povo norte-americano quer que os direitos constitucionais protegidos e os filhos seguros na escola”.

Os norte-americanos “querem as duas coisas ao mesmo tempo, e é exatamente isso que o projeto de lei no Senado irá realizar”, acrescentou.

A votação aconteceu no mesmo dia em que o Supremo Tribunal norte-americano derrubou uma lei aprovada pelo estado de Nova Iorque que estabelecia limites restritos ao porte de armas fora de casa. A decisão vai afetar vários outros estados que tentaram combater o aumento da criminalidade armada, impondo restrições sobre os portadores.

A última grande medida nesta área do Congresso foi uma proibição de armas de fogo de assalto, automáticas ou semiautomáticas. A decisão entrou em vigor em 1994, mas expirou dez anos depois.

O último de uma série de tiroteios mortais nos Estados Unidos, aconteceu Maryland, no dia 9 de junho, tendo resultado na morte de três pessoas, numa fábrica em Smithsburg.

No mais grave, 19 crianças e duas professoras morreram quando um jovem abriu fogo numa escola primária da cidade de Uvalde, no Texas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+