Tempo
|
A+ / A-

Ucrânia

Embaixador russo na ONU coloca Portugal entre países "responsáveis por arrastar" guerra

21 jun, 2022 - 19:36 • Lusa

Numa reunião do Conselho de Segurança da ONU, o diplomata russo acusou ainda o Ocidente de promover a "russofobia".

A+ / A-

O embaixador da Rússia junto da ONU incluiu esta terça-feira Portugal numa lista de países fornecedores de equipamento militar a Kiev, acusando-os de serem "diretamente responsáveis pelo arrastar" da guerra.

Numa reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação na Ucrânia, Vasily Nebenzya criticou o Ocidente por fornecer armamento e artilharia de longo alcance a Kiev, visando atingir "a população civil de língua russa" na região do Donbass (leste ucraniano).

"Os Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Alemanha, França, Polónia, Áustria, Austrália, Bélgica, Bulgária, Grécia, Dinamarca, Espanha, Luxemburgo, Países Baixos, Noruega, Portugal, Roménia, Macedónia do Norte, Eslováquia, Eslovénia, Turquia, Finlândia, República Checa, Suécia (...) uma lista dos maiores fornecedores de equipamento militar ao regime ucraniano, gastando milhares de milhões de dólares", afirmou Nebenzya.

"Apenas na semana passada, o Donbass foi atingido por armamento americano e europeu, que matou seis civis e feriu mais de 30. Cada um destes países é diretamente responsável por arrastar a crise ucraniana e causar mortes", avaliou.

O diplomata russo acusou ainda o Ocidente de promover a "russofobia", indicando, por exemplo, que restaurantes em muitos desses países se recusam a atender clientes russos.

Nesta reunião do Conselho de Segurança, os alegados crimes cometidos pelas tropas russas na Ucrânia também estiveram sob análise, com a conselheira especial do secretário-geral para a Prevenção de Genocídios, Alice Wairimu Nderitu, a alertar para as "alegações graves que têm sido levantadas, incluindo a indicação da possível prática de genocídio e crimes de guerra".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    21 jun, 2022 Lisboa 19:30
    Claro que sim, a Rússia nem começou a guerra nem nada. E muita sorte tem ela, em à frente do Ocidente só haver lideres de cartão como Macron, Scholz e outros, e os EUA serem governados por um avozinho que devia estar em casa a brincar com os netinhos, caso contrário no 2.º dia de guerra, estaria implementada a zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia, nem que tivesse de ser abatida metade da força aérea russa, e esse bloqueio no Mar Negro já teria sido desfeito com o apresamento / afundamento da marinha russa que lá está. E obviamente cedência de armas pesadas a Kiev, com alcance suficiente para por Moscovo em ruínas - é jogo sujo que numa guerra, só um dos lados possa bombardear outro. Isso significava a Guerra? Tem piada, parece que mesmo sem isso, já estamos em Guerra. Portugal está nessa lista? Então, está na lista certa. Força neles, gente da Ucrânia!

Destaques V+