Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ucrânia. Costa diz que UE deve concentrar-se no apoio imediato e evitar longos debates

14 jun, 2022 - 13:56 • Lusa

Em entrevista ao jornal Financial Times, por ocasião da sua visita a Londres, o primeiro-ministro português voltou a defender a necessidade de “unidade europeia” para apoiar a Ucrânia.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta terça-feira que a União Europeia deve concentrar-se em dar apoio imediato à Ucrânia em vez de se dividir em “longos debates” sobre a adesão do país ao bloco dos 27.

“Para dar este apoio claro e imediato, não precisamos de abrir agora uma negociação ou procedimento que pode levar muitos anos. [O Presidente francês] Macron fala em décadas, eu não digo décadas, mas com certeza muito, muito tempo. O grande risco é que se criem falsas expectativas que se tornam em desilusão amarga. Menos debates legais, mais soluções práticas”, afirmou António Costa, numa entrevista publicada esta terça-feira pelo jornal britânico Financial Times.

O primeiro-ministro, que falou ao jornal durante a sua visita a Londres, este fim de semana, afirmou que o seu objetivo é “obter no próximo Conselho Europeu um compromisso claro sobre o apoio urgente e construir uma plataforma duradoura para apoiar a recuperação da Ucrânia”.

“O mais importante não são debates legais sobre a Ucrânia, mas apresentar algo prático”, declarou.

Sem se opor a que seja concedido à Ucrânia o estatuto de país candidato à União Europeia, Costa afirmou que espera pela decisão dos parceiros europeus sobre o pedido de adesão, que a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, prometeu para esta semana.

Mesmo que a pretensão do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, seja atendida, “os problemas reais continuam por resolver”, considerou o primeiro-ministro português, reforçando que é “essencial responder à emergência que a Ucrânia e o povo ucraniano estão a viver agora”.

À Europa, salientou, cabe manter a unidade demonstrada desde a invasão lançada a 24 de fevereiro pela Rússia, que representou “uma derrota” para o Presidente russo, Vladimir Putin.

“O melhor apoio que a União Europeia pode dar à Ucrânia é manter a sua unidade. O melhor que podemos oferecer é a unidade europeia”, afirmou.

Embora Von der Leyen tenha defendido que se inicie o processo de adesão da Ucrânia, os líderes europeus não têm todos a mesma posição, como afirmou no mês passado o primeiro-ministro dos Países Baixos, Mark Rutte, declarando perante o parlamento do seu país que muitos estados-membros se opõem.

A Polónia, os estados do Báltico (Estónia, Letónia e Lituânia) e a Itália já se declararam a favor.

António Costa considerou que a ideia avançada por Emmanuel Macron no mês passado para a criação de uma “comunidade política europeia”, que seria uma associação menos formal para países que não queiram ser membros em pleno ou que não cumpram todos os critérios de entrada, “pode ser uma boa ideia para resolver muitos dos problemas”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    14 jun, 2022 Lisboa 13:59
    Empreguem esse pragmatismo no envio imediato de armas pesadas, absolutamente necessárias para Kiev enfrentar o urso russo. Não falta valentia nem decisão aos Ucranianos, faltam é artilharia e sistemas pesados onde são 1 contra 15. O Ocidente que fale menos e envie mas é mais armas pesadas em vez de se limitarem a conversas na comunicação social. A menos que a ideia seja "espremer" a Russia para não lhe dar hipótese de novas invasões e para isso sacrifique-se a Ucrânia.

Destaques V+