Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Migrações: Países do Mediterrâneo pedem à UE mesma solidariedade dada à Ucrânia

04 jun, 2022 - 17:00 • Lusa

Um grupo de países mediterrânicos constituído por Itália, Espanha, Grécia, Chipre e Malta pediu hoje à União Europeia que demonstre para com o problema migratório no sul do continente a mesma solidariedade dada ao acolhimento dos refugiados da Ucrânia

A+ / A-

Os ministros do Interior dos cinco países mais expostos aos fluxos migratórios do Mediterrâneo fizeram este pedido a Bruxelas no final de uma reunião de dois dias, em Veneza, para “consolidar uma visão estratégica sobre os elementos essenciais do novo sistema europeu de gestão migratória”.

A ministra italiana, Luciana Lamorgese, adiantou, numa conferência de imprensa conjunta hoje realizada, que os países mediterrânicos visam conseguir um mecanismo de distribuição de migrantes amplo e equilibrado.

“A crise da Ucrânia mostrou a capacidade de a Europa se unir e mostrar solidariedade para com as pessoas que fogem do conflito e precisam de acolhimento”, afirmou a ministra, acrescentando que o encontro entre os cinco países constituiu “um importante ponto de referência para o próximo Conselho Europeu do Interior”.

O ministro espanhol, Fernando Grande-Marlaska, sublinhou, por seu lado, a necessidade de a Europa encontrar “um equilíbrio entre responsabilidade e solidariedade” e de “alcançar acordos com países terceiros, em África, sobre este desafio estrutural e permanente” da migração para a Europa.

“Hoje mostramos a unidade do Grupo do Mediterrâneo, essencial para que as nossas propostas sejam levadas em consideração”, disse o ministro.

“A Espanha está empenhada em continuar a falar a uma só voz”, garantiu ainda Fernando Grande-Marlaska, depois de recordar que esta última reunião em Veneza é o fim de um processo que já passou por reuniões em Atenas e Málaga.

Na reunião anterior, participaram também os ministros do Interior de França e da República Checa, países que ocupam a presidência da UE em 2022, e de que o Grupo Mediterrâneo espera “respostas concretas” com “soluções equilibradas entre responsabilidade e a necessária solidariedade dos demais membros” da comunidade europeia, tendo a “distribuição [da migrantes] como instrumento essencial”, avançou Lamorgese.

A ministra italiana já tinha avisado, na sexta-feira, que o bloqueio às exportações de cereais e outras matérias-primas da Ucrânia vai provocar um aumento da chegada de migrantes do Norte de África a Itália.

“O Chipre já registou mais 286% de desembarques e a Itália mais 30%, ou seja, cerca de 20.000 pessoas, mas se a crise [na Ucrânia] continuar e não for possível tirar os cereais dos portos do Mar Negro, devemos esperar maiores fluxos migratórios”, concluiu.

Quase 200 mil migrantes irregulares chegaram à União Europeia no ano passado, o número mais alto desde 2017, segundo a contabilização feita em Janeiro pela agência europeia de controlo de fronteiras Frontex, que acrescentou que o fluxo migratório clandestino voltou aos níveis pré-pandemia de covid-19.

O número de chegadas ilegais foi 57% superior ao de 2020, quando as restrições impostas pela pandemia da covid-19 reduziram drasticamente a migração, mas também mais 36% do que em 2019, disse na altura a Frontex.

Em 2021, ainda antes de ter tido início a invasão da Ucrânia pela Rússia, a Frontex dava conta de um novo afluxo de migrantes, com origem principalmente no Médio Oriente, através da Bielorrússia, no que a UE considerou uma operação orquestrada pelo regime Minsk.

A Frontex também observou um aumento acentuado nas chegadas de migrantes através do Mediterrâneo central, dos Balcãs Ocidentais e de Chipre.

A principal rota dos migrantes foi o Mediterrâneo central, por onde chegaram, em 2021, 65.362 migrantes irregulares, cerca de um terço do total. De um ano para o outro, o aumento foi de 83% naquela rota.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+