Tempo
|
A+ / A-

Rússia disponível para retomar negociações com Ucrânia

23 mai, 2022 - 02:44 • Redação com Agências

Negociador russo afirma que seu país "nunca rejeitou as negociações".

A+ / A-

O negociador russo Vladimir Medinsky afirmou, neste domingo, que a Rússia está disposta a retomar as negociações de paz com a Ucrânia. “Da nossa parte, estamos dispostos a continuar o diálogo”, afirmou Vladimir Medinski, conselheiro do Kremlin, encarregado das negociações com a Ucrânia, citado pela Associated Press, durante uma entrevista à TV bielorrussa.

Vladimir Medinsky declarou que a suspensão das conversas partiu da Ucrânia e faz depender o retomar das conversações de uma iniciativa que possa prosseguir de Kiev.

De recordar que, do lado da Ucrânia, o negociador Mikhailo Podoliak, declarou na terça-feira, que o diálogo com Moscovo estava suspenso, enquanto a Rússia centralizava a sua "operação especial" no leste da Ucrânia.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro e a ofensiva militar provocou já a morte de mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas, das quais mais de 5,6 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    23 mai, 2022 Lisboa 11:18
    A única coisa que há para negociar é o montante de indemnizações de guerra, que a Rússia terá de pagar à Ucrânia. E isto só após a retirada imediata e total de todas as forças russas atualmente presentes em território Ucraniano, incluindo a Crimeia e o DonBass. Querer "conversações de paz" enquanto se ocupa militarmente territórios de outro país, e/ou se procede a referendos-fantoches para justificar essa anexação, isso pode ser da conveniência da Rússia, mas não o é da Ucrânia nem do Direito Internacional.
  • Cidadao
    23 mai, 2022 Lisboa 09:18
    Negociações enquanto a invasão decorre e a Rússia está na ofensiva? Que tipo de negociações seriam essas? Qualquer coisa do género "vocês, Ucrânia, reconhecem a ocupação do Donbass, da Crimeia, desarmam unilateralmente, cedem toda a orla costeira e aceitam o nosso controle sobre a vossa economia"? Esperem deitados, que pelo caráter demonstrado até aqui, parece que enquanto não recuperarem o território ocupado, a Ucrânia continua a guerra.

Destaques V+