Tempo
|
A+ / A-

Do Ocidente à Rússia, as reações sobre a adesão da Finlândia à NATO

12 mai, 2022 - 21:44 • Lusa

A Rússia considera que a adesão da Finlândia à NATO constitui uma ameaça à sua segurança e põe em causa a estabilidade na região da Eurásia.

A+ / A-

O anúncio desta quinta-feira da intenção da Finlândia de formalizar o pedido de adesão à NATO, que poderá acontecer oficialmente no domingo, foi recebido com entusiasmo pelos parceiros da Aliança e com ameaças de retaliação por parte da Rússia.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Finlândia, Pekka Haavisto, afirmou no Parlamento Europeu, em Bruxelas, que Helsínquia dará "valor acrescentado" à NATO, cuja adesão foi defendida oficialmente pelo Presidente e pela primeira-ministra do país escandinavo.

"Estou convicto que a Finlândia dará valor acrescentado à NATO", disse o chefe da diplomacia finlandesa, intervindo na comissão de Assuntos Externos no Parlamento Europeu.

De imediato, o secretário-geral da NATO, o norueguês Jens Stoltenberg, saudou os planos da Finlândia, garantindo um processo de adesão "tranquilo" e rápido e mostrando-se recetivo a um idêntico plano para acolher a Suécia, que em breve pode seguir os passos de Helsínquia.

"Trata-se de uma decisão soberana da Finlândia. Se a Finlândia decidir candidatar-se vai ser calorosamente acolhida no seio da NATO, sendo que o processo de adesão vai decorrer de forma tranquila e rápida", declarou Stoltenberg.

Do Kremlin, vieram reações de ameaça e de desconforto com os planos da Finlândia.

A Rússia avisou mesmo Helsínquia de que será forçada a tomar medidas de retaliação, "tanto técnico-militares como outras", se violar as suas obrigações jurídicas internacionais e aderir à NATO.

"A adesão da Finlândia à NATO causará sérios danos às relações bilaterais Rússia-Finlândia. A Rússia será forçada a tomar medidas de retaliação, tanto técnico-militares como outras, a fim de pôr termo às ameaças à sua segurança nacional que surjam a este respeito", lê-se num comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo.

A Rússia considera que a adesão da Finlândia à NATO constitui uma ameaça à sua segurança e põe em causa a estabilidade na região da Eurásia.

"Sem dúvida" é uma ameaça, disse o porta-voz do Kremlin (Presidência) Dmitri Peskov, ao responder a uma pergunta sobre a possível adesão da Finlândia à NATO.

"O alargamento da NATO e a aproximação da Aliança às nossas fronteiras não torna o mundo e o nosso continente mais estáveis e seguros", disse Peskov.

Em comentários ao anúncio da Finlândia, o Kremlin aproveitou ainda para dizer que a ajuda militar ocidental à Ucrânia e os exercícios da NATO perto das suas fronteiras aumentam a probabilidade de um conflito direto e o risco de uma guerra nuclear total.

Em sentido contrário, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, elogiou a disponibilidade da Finlândia para aderir à NATO, numa conversa telefónica com o seu homólogo finlandês, Sauli Niinistö.

"Elogiei a disponibilidade da Finlândia para se candidatar à adesão à NATO", escreveu Zelensky na rede social Twitter, ao relatar a conversa com Niinistö.

No mesmo tom, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, considerou que a adesão da Finlândia à NATO será "um passo histórico" que contribuirá para a segurança na Europa.

A Alemanha, pela voz do chanceler, Olaf Scholz, também anunciou que dá o seu "apoio total" ao desejo da liderança finlandesa de aderir imediatamente à NATO.

"Saúdo a decisão da Finlândia de se pronunciar a favor de uma adesão imediata à NATO", publicou o líder alemão na rede social Twitter.

Scholz revelou ter falado com o Presidente finlandês sobre o "apoio total do Governo alemão" a esse desejo de adesão, numa conversa telefónica.

Também a França apoia plenamente o desejo da Finlândia de aderir à NATO, anunciou o Palácio do Eliseu.

"O Presidente da República indicou que a França apoia plenamente a escolha soberana da Finlândia para aderir rapidamente à NATO", indicou o Eliseu.

Do outro lado do Atlântico, os senadores democratas e republicanos norte-americanos associaram-se à posição da Casa Branca no apoio do processo de adesão da Finlândia à NATO.

A candidatura finlandesa é "um grande passo em frente para o futuro da segurança transatlântica", em plena guerra liderada pela Rússia na Ucrânia, escreveu na rede social Twitter o número dois dos republicanos na Comissão de Negócios Estrangeiros, Jim Risch.

Em Portugal, o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, anunciou que vai reunir na sexta-feira, em Helsínquia, com o seu homólogo finlandês, Pekka Haavisto, para debater a adesão da Finlândia à NATO.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    13 mai, 2022 Lisboa 10:26
    As ameaças Russas, são conversa de perdedores, mais nada. Até porque eles sabem que se tentarem qualquer invasão convencional, tem 300 000 soldados Finlandeses, mais 900 000 reservistas, à espera deles, sem contar com o corpo expedicionário britânico de 8 000 homens que está de prevenção, sem contar com as tropas em exercicios. E armas nucleares, teriam resposta imediata e no mesmo "tom" do Ocidente. A Rússia perdeu e só lhes resta a linguagem das ameaças, coisa que cada vez tem menos impacto, cá pelo Ocidente.

Destaques V+