Tempo
|
A+ / A-

Dia 77. Azovstal sob pressão intensa, e ONU diz que acordo de paz está longe

11 mai, 2022 - 20:10 • João Carlos Malta

A+ / A-

O 77º dia de guerra na Ucrânia, o exército russo está a utilizar artilharia pesada, tanques e bombardeamentos aéreos para atacar o complexo siderúrgico de Azovstal, em Mariupol. Este é o único reduto da resistência ucraniana naquela cidade no sul do país.

"Mariupol. Azovstal. Neste momento... Azovstal está a ser atacada não apenas pelo céu, mas também com artilharia e tanques. Estão a ser feitas tentativas de um assalto a partir de fora. Azovstal está a pegar fogo novamente após o bombardeamento", escreveu Petro Andriushchenko, assessor do autarca de Mariupol, na rede social Telegram.

No mesmo dia, soube-se que as forças russas destruíram 101 hospitais e danificaram ou capturaram cerca de 200 ambulâncias em todo o país desde o início da invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro, denunciou hoje o Ministério da Saúde ucraniano.

Esta quarta-feira, o secretário-geral da ONU previu esta quarta-feira que um acordo de paz na Ucrânia é inevitável, mas que não será alcançado num futuro imediato.

"Esta guerra não se manterá para sempre. Haverá um tempo para as negociações de paz, mas não vejo isso num futuro imediato. Posso dizer uma coisa: Nunca desistiremos", acrescentou, em conferência de imprensa junto ao presidente austríaco, Alexander Van der Bellen.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, citado pela agência Reuters, afirmou sobre o alastrar da guerra que essa não é uma possibilidade bem vista pela Rússia.

“Se estão preocupados com a perspetiva de uma guerra na Europa, não queremos isso de todo”, disse o

O governante falava em Muscat, a capital de Omã, após uma reunião com o seu homólogo daquele país.

Contudo, Sergey Lavrov acusou os países do Ocidente de quererem ver a Rússia derrotada — colocando sobre o Ocidente a responsabilidade de uma eventual guerra. “Chamo a vossa atenção para o facto de o Ocidente estar constante e persistentemente a dizer que, nesta situação, é necessário derrotar a Rússia.”

A guerra com a Rússia teria sido evitada se a Ucrânia fosse membro da aliança da NATO, disse o presidente Volodymyr Zelensky.

"Se a Ucrânia fizesse parte da NATO antes da guerra, não teria havido guerra", disse a estudantes do Instituto de Estudos Políticos de Paris, enquanto falava por videochamada.
Zelensky também disse que o país está "pronto" para começar negociações "desde que não seja tarde demais", informou a CNN.

E acrescentou: “A cada nova Bucha, a cada nova Mariupol, a cada nova cidade onde há dezenas de mortos, casos de violação, a cada nova atrocidade, desaparece o desejo e a possibilidade de negociar, assim como a possibilidade de resolver esta questão de forma diplomática."

Isto num dia em que a Câmara dos Representantes anunciou um pacote de ajuda à Ucrânia de 38 mil milhões de euros e Zelenskiy agradeceu aos “amigos” norte-americanos.

O presidente sublinhou a “rápida aprovação” do apoio financeiro, no contexto da invasão russa à Ucrânia, que começou a 24 de fevereiro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+