Tempo
|
A+ / A-

Ativista da banda Pussy Riot foge da Rússia disfarçada de estafeta

11 mai, 2022 - 21:33 • Redação

Maria Alyokhina estava a cumprir uma pena de prisão domiciliária que seria substituida por uma pena de prisão de 21 dias.

A+ / A-

A ativista Maria Alyokhina, um dos elementos da banda Pussy Riot, conseguiu fugir da Rússia, a caminho da Lituânia, depois de se disfarçar de estafeta de entrega de comida.

Segundo relata o The New York Times, conseguiu enganar a polícia e, com a ajuda de uma amiga, foi transportada até à fronteira com a Bielorrússia e, de seguida, demorou uma semana a chegar à Lituânia.

Maria Alyokhina estava a cumprir uma pena de prisão domiciliária que seria substituida por uma pena de prisão de 21 dias.

Para evitar a punição do regime de Putin, a ativista decidiu efetuar a fuga.

"Ainda não compreendo completamente o que fiz", admitiu, em entrevista ao The New York Times.

A banda punk feminista russa Pussy Riot regressa a Portugal em junho para dois concertos, no Porto e em Lisboa, no âmbito de uma digressão europeia, anuncia a promotora dos espetáculos.

O grupo, "que chegou a integrar 11 mulheres e se tornou famoso, em grande parte, pelas encenações de espetáculos de guerrilha "punk rock" provocatórios não autorizados em locais públicos invulgares", atua em 8 de junho na Casa da Música e em 9 de junho no Capitólio, de acordo com a Sounds Good.

Fundada em 2011, a banda ganhou notoriedade um ano depois, quando cinco dos seus elementos foram detidos por terem cantado uma canção contra o então primeiro-ministro e atual presidente da Rússia, Vladimir Putin, na catedral de Moscovo. O grupo pretendia denunciar a cumplicidade entre a Igreja Ortodoxa e o poder político.

Na sequência dessa detenção, dois dos elementos das Pussy Riot - Maria Alekhina e Nadejda Tolokonnikova - foram condenados em agosto de 2012 a dois anos de trabalhos forçados.

As Pussy Riot tornaram-se desde então no símbolo da contestação ao regime de Putin.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+