Tempo
|
A+ / A-

Mais de 170 civis resgatados de Azovstal chegaram a Zaporzíjia

09 mai, 2022 - 00:01 • Lusa

Estas pessoas, algumas com crianças, foram levadas para um parque de estacionamento de um centro comercial, que se transformou num centro de acolhimento para quem foge das zonas ocupadas pelo exército russo.

A+ / A-

Mais de 170 civis de Mariupol, entre os quais cerca de 40 retirados da siderurgia de Azovstal, chegaram esta noite a Zaporijia, no sudeste da Ucrânia, indicou a agência noticiosa AFP.

Estas pessoas, algumas com crianças, foram levadas para um parque de estacionamento de um centro comercial, que se transformou num centro de acolhimento para quem foge das zonas ocupadas pelo exército russo.

No total, 174 civis transportados por oito autocarros chegaram a esta grande cidade do sudeste ucraniano "a partir do inferno de Mariupol", precisou no Twitter a coordenadora humanitária das Nações Unidas para a Ucrânia, Osnat Lubrani.

"No entanto, o nosso trabalho não terminou", prosseguiu Lubrani, assegurando que "dezenas de pessoas que desejavam juntar-se ao comboio [humanitário] nos últimos dias não puderam fazê-lo".

Com esta operação, são mais de 600 os civis retirados do vasto complexo siderúrgico, o último bastião das tropas ucranianas no local lideradas pelo regimento Azov, integrado na Guarda Nacional.

Previamente, e no decurso de uma conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau, de visita a Kiev, o Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky reconheceu a impossibilidade de libertar Mariupol.

"O nosso país carece de armamento pesado necessário para libertar Mariupol" numa operação militar. "Digo-o abertamente", sublinhou.

O líder ucraniano também considerou ser praticamente impossível garantir a saída dos militares ucranianos entrincheirados no complexo siderúrgico e acusou a Rússia de bloquear os esforços para a sua retirada.

"Os militares russos, o Exército russo e a cúpula do poder da Federação russa não querem que os nossos soldados saiam", indicou em declarações divulgadas pelo portal digital ucraniano Gazeta.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro e a ofensiva militar provocou já a morte de mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas, das quais mais de 5,5 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+