Tempo
|
A+ / A-

Amnistia diz que tropas russas cometeram crimes de guerra

06 mai, 2022 - 11:46 • Lusa

Delegação esteve na região nos últimos dias. "O padrão dos crimes cometidos pelas forças da Rússia que nós documentamos incluem ataques ilegais e a matança intencional de civis."

A+ / A-

Dezenas de testemunhos referem-se a bombardeamentos totalmente ilegais contra civis em Borodyanka e execuções sumárias nas cidades de Bucha, Andriivka, Zdyzhivka e Vorzel.

A Amnistia Internacional divulgou um relatório, com os resultados de uma investigação no terreno, em que defende que as forças russas têm de enfrentar a justiça por crimes de guerra cometidos nas regiões noroeste da Ucrânia.

O documento "'He´s not coming back': War Crimes in Northwet Areas of Kyiv Oblast" (Ele não vai regressar: Crimes de Guerra no Noroeste da Província de Kiev) reporta os resultados da investigação que segundo a organização de defesa de direitos humanos com sede em Londres indica que foram cometidos crimes de guerra em solo ucraniano pelas forças russas.

Os testemunhos de dezenas de pessoas e a recolha de provas referem-se a bombardeamentos totalmente ilegais contra civis em Borodyanka e execuções sumárias nas cidades de Bucha, Andriivka, Zdyzhivka e Vorzel.

A delegação da Amnistia esteve na região nos últimos dias, onde registou os testemunhos dos sobreviventes e familiares das vítimas assim como manteve contactos com elementos da Administração ucraniana.

"O padrão dos crimes cometidos pelas forças da Rússia que nós documentamos incluem ataques ilegais e a matança intencional de civis", disse a secretária-geral da AI, Agnès Callamard.

"Mantivemos encontros com as famílias cujos membros foram assassinados em horríveis ataques ou cujas vidas mudaram para sempre por causa da invasão da Rússia. Nós apoiamos os pedidos de justiça dessas pessoas e apelamos às autoridades ucranianas, ao Tribunal Penal Internacional e outras instâncias para que as provas sejam mantidas para que possam apoiar futuras queixas por crimes de guerra", disse Callamard.

Em Borodyanka, a AI descobriu que pelo menos 40 civis foram assassinados em ataques desproporcionados e indiscriminados e que destruíram as infraestruturas da zona provocando que milhares de deslocados.

Relatório fala em crimes indiscriminados e desproporcionados

Em Bucha e outras cidades da região noroeste de Kiev, a Amnistia Internacional documentou 22 casos de assassinatos ilegais pelas forças militares da Rússia sendo que a maior parte foram "execuções extrajudiciais".

Sobre ataques aéreos a organização não-governamental destaca os factos ocorridos nos passados dias 1 e 2 de março quando uma série de bombardeamentos efetuados pela aviação de combate russa destruiu oito edifícios de apartamentos na cidade de Borodyanka, a cerca de 60 quilómetros de Kiev, onde viviam mais de 600 famílias.

Nestes ataques aéreos seguidos de uma operação de infantaria apoiada por veículos blindados morreram pelo menos 40 habitantes.

Na povoação de Novyi Korohod é referido o caso de um operário da construção civil de 46 anos que foi encontrado morto com as mãos atadas atrás das costas.

A Amnistia Internacional frisa que as execuções extrajudiciais cometidas em conflitos armados constituem crimes de guerra.

Da mesma forma, crimes indiscriminados e desproporcionados também são considerados crimes de guerra sendo que os responsáveis devem ser julgados em tribunal.

"De acordo com a doutrina militar, elementos das hierarquias superiores, incluindo comandantes militares e líderes civis, como ministros ou chefes de Estado que - conhecendo os crimes de guerra - cometidos pelas Forças Armadas nada fizeram para parar as ações ou que puniram os envolvidos são também responsáveis pelos crimes", refere o documento da AI.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+