Tempo
|
A+ / A-

Biden pede mais 31 mil milhões de euros para ajudar a Ucrânia

28 abr, 2022 - 17:47 • Lusa

"O custo dessa luta não é barato, mas ceder à agressão ficará mais caro", afirma o Presidente dos Estados Unidos.

A+ / A-

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, pediu hoje ao Congresso mais 33 mil milhões de dólares (cerca de 31 mil milhões de euros) para ajudar a Ucrânia a resistir à invasão russa.

Na proposta hoje apresentada - que a Casa Branca quer que sirva para apoiar as necessidades da Ucrânia durante cinco meses -- inclui mais de 20 mil milhões de dólares (cerca de 19 mil milhões de euros) em assistência militar a Kiev e para reforço da Defesa dos países vizinhos.

Na iniciativa inclui-se ainda uma verba de 8,5 mil milhões de dólares (cerca de oito mil milhões de euros) em ajuda económica para ajudar a manter em exercício o Governo do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e três mil milhões de dólares (cerca de 2,8 mil milhões de euros) em alimentos e programas humanitários para ajudar civis, incluindo os mais de cinco milhões de refugiados.

O pacote de assistência - que agora segue para votação no Congresso -- representa mais do dobro dos 13,6 mil milhões de dólares (cerca de 12,9 mil milhões de euros) inicialmente previstos para a área da Defesa e da ajuda económica para a Ucrânia.

A intenção da Casa Branca é provar que os EUA não esgotaram ainda o esforço para ajudar a Ucrânia a resistir à invasão russa.

"O custo dessa luta não é barato, mas ceder à agressão ficará mais caro. É fundamental que este financiamento seja aprovado o mais rápido possível", defendeu Biden.

No Congresso dos EUA tem havido um amplo apoio bipartidário para a ajuda à Ucrânia na resistência à invasão russa e a aprovação deste pacote de ajuda parece assegurado.

Contudo, Biden e os democratas também querem que os congressistas aprovem igualmente um pacote de combate contra a pandemia de covid-19, o que pode levar a minoria republicana a oferecer alguma resistência às ambições políticas da Casa Branca.

Biden também pediu hoje ao Congresso novos poderes para confiscar e redirecionar os ativos dos oligarcas russos.

Na proposta apresentada, incluem-se várias propostas para agilizar e centralizar a aplicação de sanções contra a "cleptocracia" russa, em referência aos colaboradores próximos do Presidente russo, Vladimir Putin.

De acordo com a proposta de Biden, os departamentos de Justiça, Tesouro e Estado trabalharão juntos para compensar os danos causados à Ucrânia com fundos apreendidos a cidadãos russos como parte de sanções por violações de guerra, anticorrupção e controlo de exportações.

A Casa Branca também pediu ao Congresso que crie uma autoridade administrativa especial para apreender bens de oligarcas, para permitir a sua doação à Ucrânia, além de propor a criação de novas medidas sancionatórias que tornem ilegal a posse de dinheiro obtido diretamente a partir de "atividades governamentais corruptas" na Rússia.

A guerra na Ucrânia já provocou mais de 50 mil milhões de euros em danos a edifícios e infraestruturas, de acordo com o Banco Mundial, e o Fundo Monetário Internacional prevê que a economia ucraniana deve encolher em 35% neste ano e no próximo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • digo
    29 abr, 2022 eu 13:31
    Confisquem os 600 000 milhões de euros que dizem que a Rússia (os oligarcas...) têm em offshores e bancos externos e já haverá muito dinheiro para ajudar a Ucrânia com armas, medicamentos e alimentos, e mais tarde, reconstruir o País. Os Russos? Fazem o quê? Daqui a 5 anos são colonizados economicamente pela China.

Destaques V+