Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Myanmar. Aung San Suu Kyi condenada a mais cinco anos de prisão

27 abr, 2022 - 08:21 • Olímpia Mairos , com agências

Em causa está um caso de corrupção. O julgamento foi realizado à porta fechada e os advogados foram impedidos de falar aos meios de comunicação social.

A+ / A-

Um tribunal de Myanmar, país atualmente governado por militares, condenou esta quarta-feira a líder deposta Aung San Suu Kyi a cinco anos de prisão.

A líder destituída e Prémio Nobel da Paz estava acusada de ter aceitado subornos no valor de 600 mil dólares (564 mil euros) e 11,4 quilos de ouro do antigo governador de Rangun, Phyo Min Thein, que testemunhou em outubro contra a líder eleita.

A condenação foi comunicada por um funcionário judicial, que pediu para não ser identificado por não estar autorizado a divulgar informações. O julgamento de Suu Kyi foi realizado à porta fechada e os advogados foram impedidos de falar aos meios de comunicação social.

De acordo com a Reuters, Suu Kyi classificou as alegações de “absurdas” e negou todas as acusações que recaem sobre si e que incluem violações das leis eleitorais e secretas de Estado, incitação e corrupção.

Apoiantes e peritos jurídicos independentes classificaram as acusações contra a ex-governante como injustas e fabricadas, defendendo que o objetivo é o de afastar da política Suu Kyi, de 76 anos.

No início de dezembro, a política foi condenada a quatro anos de prisão (reduzidos a dois anos após receber um indulto da junta militar) por violar leis antipandémicas e por incitação contra a junta militar.

A líder deposta foi também condenada em 10 de janeiro a mais quatro anos de prisão por ignorar medidas de prevenção face à Covid-19 num ato eleitoral e por importar ilegalmente dispositivos de telecomunicações.

Suu Kyi está ainda a ser julgada por alegada violação da Lei dos Segredos Oficiais, punível até 14 anos de prisão, sendo ainda acusada de fraude eleitoral durante as eleições de novembro de 2020.

A política, detida desde as primeiras horas do golpe militar realizado a 1 de fevereiro de 2021, cumpre pena em local desconhecido.

O golpe de Estado mergulhou Myanmar numa profunda crise política, social e económica e abriu uma espiral de violência, com o aparecimento de novas milícias civis que agravaram a guerra de guerrilhas que o país vive há décadas.

O Exército justifica o golpe com uma alegada fraude nas eleições gerais de novembro de 2020, cujo resultado foi anulado e em que o partido de Suu Kyi teve, tal como em 2015, uma vitória avalizada pelos observadores internacionais.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+