Tempo
|
A+ / A-

Rússia corta entregas de gás à Polónia

26 abr, 2022 - 19:00 • Redação

A empresa polaca PGNiG diz que vai avançar com meios legais para reestabelecer o fornecimento de gás, alegando que a decisão da Gazprom vai contra o contrato assinado entre as duas empresas.

A+ / A-

A Rússia cortou as entregas de gás à Polónia.

A confirmação é da empresa polaca PGNiG que compra cerca de 60% do gás polaco à Gazprom - uma das mais importantes empresas de gás russo.

A Gazprom informou que deixaria de exportar gás para a empresa polaca a partir desta quarta-feira.

Numa declaração citada pela Reuters, a PGNiG diz que vai avançar com meios legais para reestabelecer o fornecimento de gás, alegando que a decisão da Gazprom vai contra o contrato assinado entre as duas empresas.

A Polónia tem uma reserva de gás com 70% de capacidade, o que implica que o país não terá um problema de energia a curto prazo.

O governo polaco já estava a planear acabar com a importação de gás russo até ao final do ano, altura em que o contrato com a Gazprom termina.

A Gazprom é das empresas que tem sido alvo de sanções internacionais, devido à sua afiliação ao regime de Vladimir Putin.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    26 abr, 2022 Lisboa 19:09
    Pena é que os Russos não façam o mesmo a toda a Europa. As resistências a sanções a sério cairiam e a Europa seria forçada a arrepiar caminho, cancelando o fecho do Nuclear para já, apostando forte nas Renováveis e no Hidrogénio Verde, aproveitando que o efeito do Inverno está a passar. E deixavam de haver 1 000 milhões/dia em pagamentos aos Ivans para alimentar o morticínio de Ucranianos

Destaques V+